Dor na nuca: o que pode ser? Causas da dor forte e outros sintomas

dor na nuca fisioterapia

A dor na nuca é um problema muito comum, afetando cerca de 30% das pessoas no Brasil todos os anos.

Pode ser causada por espasmos musculares, torcicolo, dores miofasciais, ou problemas de longo prazo com a coluna, e geralmente afeta adultos de 30 a 50 anos.

Má postura, obesidade, tabagismo, levantamento repetitivo, trabalho em computadores e envolvimento em atividades esportivas são fatores de risco para o desenvolvimento dor no pescoço.

A dor na nuca, geralmente, não é sintoma de um problema mais grave, sendo mais comum em casos de excesso de tensão, por ansiedade ou estresse emocional, ou mesmo pressão arterial elevada. Nestes casos, o indivíduo costuma sentir o pescoço rígido mais rígido e uma dor mais frequente em ambos os lados da nuca.

A enxaqueca pode também ser uma causa de dor na nuca. A dor costuma ser latejante e o paciente queixa-se de incômodo com a luz e aumenta com esforços físicos.

Em alguns casos mais graves, pode ser sintoma da meningite ou aneurisma. Nesta doença, parece comumente associada de outros sinais e sintomas como enjoos, vômitos ou febre.

Você desempenha um papel importante no processo de prevenção, tratamento e recuperação da dor no pescoço. No entanto, se crônica, a dor persistirá apesar do tratamento e precisará de avaliação adicional.


Dor na nuca é comum

A dor no pescoço é um problema comum – dois em cada três de nós teremos uma crise de dor em algum momento.

Geralmente não é grave e na maioria das vezes melhora por conta própria ou com tratamento simples em poucos dias.

A dor no pescoço é geralmente causada por uma simples sobrecarga ou tensão muscular. Outras causas incluem lesões (por exemplo, espasmos) ou alterações nos ossos, ou articulações da coluna.

Em casos mais raros pode surgir por osteoartrite (dor facetária), hérnia de disco ou lesões vertebrais.

Causas comuns de dor na nuca

Causa de espasmos no pescoçoExplicação
Má posturaA má postura é o resultado de um desequilíbrio do sistema musculoesquelético, que pode causar tensão muscular e desalinhamento da coluna vertebral. Isso pode levar a espasmos no pescoço, pois os músculos trabalham para compensar o esforço e a tensão.
Excesso de anteriorização cervical no uso de celularSegurar um celular próximo ao ouvido enquanto fala pode fazer com que os músculos do pescoço fiquem tensos e contraídos. Isso pode levar a espasmos no pescoço, pois os músculos ficam sobrecarregados e fatigados.
Esticar o pescoço para olhar para a tela do computador, TV ou celular por muito tempoFicar olhando para uma tela por muito tempo pode causar espasmos no pescoço, pois os músculos ficam tensos e sobrecarregados. Isso ocorre porque seu pescoço fica em uma posição não natural por longos períodos de tempo.
Carregar uma mochila pesada no ombroCarregar uma bolsa pesada sobre um ombro pode fazer com que os músculos do pescoço e da parte superior das costas fiquem tensos, resultando em espasmos no pescoço.
Esticar os músculos do pescoço durante o exercícioEsticar os músculos do pescoço durante o exercício pode levar a espasmos no pescoço, pois os músculos ficam sobrecarregados e fatigados. Isso é especialmente verdadeiro para exercícios que envolvem levantar pesos ou outros objetos pesados.
Apertar ou ranger os dentes durante o sonoApertar ou ranger os dentes durante o sono pode fazer com que os músculos do pescoço fiquem tensos e contraídos, levando a espasmos no pescoço.
Carregar um objeto pesado (especialmente usando um braço)Carregar um objeto pesado com um braço pode fazer com que os músculos do pescoço e da parte superior das costas fiquem tensos, resultando em espasmos no pescoço.
Segurar muita tensão no pescoço por causa do estresseManter muita tensão no pescoço por causa do estresse pode levar a espasmos no pescoço, pois os músculos ficam tensos e sobrecarregados. Isso ocorre porque os músculos do pescoço estão trabalhando para sustentar a cabeça e aliviar a tensão do estresse.
Dormir em uma posição que impeça que a cabeça e o corpo fiquem alinhadosDormir em uma posição que desalinha a cabeça e o corpo pode causar tensão nos músculos do pescoço e causar espasmos no pescoço. Isso ocorre porque os músculos do pescoço não estão na posição correta e ficam sobrecarregados.
Usar um travesseiro que não oferece apoio ou apoio suficiente para o pescoçoUsar um travesseiro que não oferece apoio ou apoio suficiente para o pescoço pode fazer com que os músculos do pescoço fiquem tensos e contraídos, causando espasmos no pescoço.
Não beber líquidos suficientes (desidratação)A desidratação pode fazer com que os músculos do pescoço fiquem tensos e contraídos, levando a espasmos no pescoço. Isso ocorre porque a falta de líquidos pode levar à tensão e fadiga muscular.

Patologias relacionadas com Dor na Nuca

Abaixo, iremos abordar algumas patologias relacionadas, como pressão alta, tensão muscular (dor miofascial), artrose, efeito chicote (whiplash) e torcicolos.

1. Tensão muscular e dor na nuca

A tensão muscular resulta de vários fatores os mais comuns são: contração muscular por estresse ou esforços físicos e má postura. Neste tipo de tensão a dor pode irradiar da nuca para outras partes do corpo como cabeça, ombros e braços.


2. Hipertensão (pressão alta) e dor na nuca

dor na nuca

A elevação de forma repentina da pressão arterial pode ser uma causa de dor na nuca. Entretanto, a maioria das pessoas com pressão alta não tem nenhum sintoma.

Na proporção que os níveis de pressão sobem, com o passar do tempo, o corpo tendem-se a adaptar-se a essa situação, promovendo alterações no funcionamento de órgãos, mas sem outras queixas ou dor.

A hipertensão arterial só causa sintomas se a pressão tiver muito alta, a partir de 200/110 mg. Apesar, da dor na nuca estar associada a dor na nuca, na verdade ela está relacionada a outras causas.

Caso, a dor na nuca seja realmente um sintoma de hipertensão arterial, o indivíduo pode relatar sintomas de dor no peito, tontura, náuseas, vômitos, fraqueza, alterações visuais, palidez e zumbido no ouvido.

O clínico geral pode diagnosticar e orientar o tratamento para a dor na nuca.

O estresse é uma situação que desencadeia aumento exarcebado da pressão arterial, este é um das principais causas de dor atrás na cabeça, que depois se irradia na testa, com sensação de peso na cabeça, somada a sintomas de visão turva ou embaçada.


3. Torcicolo ou contratura x dor na nuca

É uma causa comum no surgimento de dor na nuca, é a manifestação de problemas musculares como torcicolos, na porção do pescoço ou na parte superior das costas, ou ombro, assim como apresentar devido à má postura no dia ou na hora de dormir.

Quando a pessoa vira o pescoço, pode sentir essa dor na nuca.


4. Artrose e dor na nuca

dor na nuca fisioterapia

A artrose está entre uma das causas de dor na nuca. Esta doença causa uma degeneração nas articulações, presente principalmente na região do pescoço e a dor pode se irradiar para a região da nuca. Este tipo de dor aumenta como os movimentos do pescoço, aumentando durante o dia e diminuindo no repouso.

Você deve procurar ajuda quando essa dor é incapacitante, senti palpitações ou dor no peito, associada a febres e vômitos e demora mais de 48 horas para passar.

Deve-se buscar um clínico nestes casos e pedir que ele prescreva alguns exames, para saber qual a causa desta dor na nuca.

Talvez, o médico encaminhe para um cardiologista ou um ortopedista a depender dos sintomas. Um fisioterapeuta também poderá ajudar em casos de torcicolos ou contraturas.


5. Efeito Chicote (Whiplash) – causa de dor na nuca

Whiplash acontece quando sua cabeça de repente se move em uma direção (para trás, para frente ou para os lados) e depois volta. Uma causa comum é um acidente de carro em que o carro da pessoa é atingido por trás enquanto está parado ou desacelerando.

Quando isso acontece, a cabeça da pessoa é primeiro jogada para trás e, quando o corpo para de se mover, a cabeça é empurrada para a frente. Esse tipo de lesão pode esticar os músculos do pescoço e fazer com que os ligamentos do pescoço se estiquem ou rasguem.

A dor do chicote, que geralmente piora com o movimento, nem sempre começa imediatamente – pode levar vários dias para aparecer.

Dor no pescoço e rigidez podem ser acompanhadas de espasmo muscular, tontura, dores de cabeça, dor nos nervos e dor no ombro.



Quais são as bandeiras vermelhas para dor na nuca? Quando devo me preocupar?

Procure atendimento médico imediato se a dor no pescoço estiver associada aos seguintes sintomas:

  • Dor forte
  • Formigamento, dormência ou fraqueza no braço, ombro ou mãos
  • Dor irradiante
  • Dificuldade em andar ou se equilibrar
  • Perda do controle da bexiga ou do intestino
  • Febre ou calafrios


Além disso, dores fortes no pescoço devido a lesões causadas por um acidente de carro ou uma queda precisam de cuidados médicos de emergência.

Embora seja raro, a dor no pescoço pode ser um sinal de alerta de câncer, infecção, doença autoimune ou algum tipo de problema estrutural, como lesão na medula espinhal ou uma ameaça a um vaso sanguíneo importante.

A dor na nuca é preocupante?

Raramente. Quase toda a rigidez da nuca é dor musculoesquelética leve e difusa: várias estruturas levemente irritadas somando-se a movimentos desconfortáveis e relutantes em oposição a movimentos fisicamente limitados.

A rigidez da nuca assustadora mais comum é a “rigidez da nuca” da meningite – tornando muito difícil e desconfortável inclinar a cabeça para a frente – mas isso será acompanhado por outros sinais de alerta graves, é claro.

Se você tem rigidez de nuca severa por um longo tempo, além de outros sinais de alerta, pode haver uma causa preocupante – mas provavelmente ainda não, e provavelmente não é urgente. Investigue se você tem bandeiras vermelhas suficientes e, mesmo assim, é provável que não seja nada.

Cervicobraquialgia – dor na nuca que irradia para os braços

A dor no pescoço causada por nervos irritados pode se estender para a parte superior das costas, omoplatas, ombros, braços ou mãos.

Esta condição é chamada de “radiculopatia”, e deve ser avaliada por um médico especialista.

Pode ser causada por atrose facetária, hérnia de disco, protrusão discal e outras lesões na coluna vertebral.

SintomaDescrição
DorDor, queimação ou sensação de pontada geralmente no pescoço, ombro, braço ou mão.
DormênciaSensação ou sensação reduzida na área afetada.
FraquezaForça reduzida na área afetada.
FormigamentoSensação de formigamento, picada ou queimação na área afetada.
Dor de cabeçaDor latejante ou latejante na cabeça, geralmente piora com o movimento.
Dificuldade com habilidades motoras finasCapacidade reduzida de realizar tarefas delicadas com as mãos e os dedos.
Espasmos muscularesContrações involuntárias ou espasmos dos músculos.


E o tratamento da dor na nuca?

tratamento dor na patela

Analgésicos podem ajudá-lo a se manter em movimento, portanto, o uso sensato de analgésicos ajudará, não prejudicará seu pescoço. No entanto, se você já estiver tomando medicação para outra coisa ou tiver outros problemas de saúde, verifique com seu farmacêutico local antes de tomar analgésicos.

Siga sempre as instruções da bula.

Inicialmente, pode ser útil usar uma bolsa de gelo coberta para aliviar a dor – nunca aplique gelo diretamente na pele.

Alternativamente, o calor pode ser calmante, então uma garrafa de água quente coberta também pode ser usada. Você não deve usar calor/gelo por mais de 15 minutos, três a quatro vezes ao dia.

Fisioterapia para dor na nuca

Objetivos da Fisioterapia para Dor no Pescoço

A fisioterapia para dor no pescoço normalmente inclui os seguintes objetivos:

  • Reduzir a dor e a rigidez
  • Melhorar a amplitude de movimento da cabeça e pescoço
  • Desenvolver o fortalecimento dinâmico do pescoço e sua musculatura de suporte
  • Desenvolva estratégias para evitar que a dor se repita

Mesmo que a dor não possa ser completamente eliminada, a fisioterapia pode desempenhar um papel importante na melhora da postura do pescoço e na função para os movimentos diários.

O tratamento fisioterápico varia, dependendo da causa e do tipo de dor (aguda vs subaguda vs crônica).

A dor no pescoço com déficits de mobilidade pode ser uma condição difícil de tratar e requer uma abordagem personalizada, dependendo da gravidade. A dor na nuca aguda, subaguda e crônica pode ser tratada de forma eficaz com as intervenções corretas.

Opções incluem:

Dor aguda no pescoço

Para dor cervical aguda, as intervenções devem incluir manipulações torácicas, exercícios de ADM do pescoço, fortalecimento escapulotorácico e da extremidade superior e manipulação e/ou mobilização cervical. Melhorar a adesão ao programa por meio dessas intervenções é benéfico, pois isso pode melhorar os resultados.

Dor subaguda no pescoço

Para o tratamento subagudo da dor no pescoço, as intervenções devem incluir exercícios de resistência do pescoço e da cintura escapular, manipulação torácica e manipulação e/ou mobilização cervical.

Dor cervical crônica

A dor cervical crônica requer uma abordagem multimodal, incorporando manipulação torácica e manipulação ou mobilização cervical; exercícios mistos; exercício neuromuscular, alongamento, fortalecimento, treinamento de resistência, condicionamento aeróbico e elementos cognitivo-afetivos; ou tração mecânica/manual intermitente.

O dry needling (agulhamento a seco) e a terapia a laser de baixo efeito também podem ser usadas, enquanto a educação do paciente e os exercícios de resistência do pescoço, cintura escapular e tronco são componentes importantes do plano de gerenciamento.

É importante lembrar que uma abordagem personalizada é essencial ao lidar com dores no pescoço com déficits de mobilidade. Com as intervenções certas, as dores agudas, subagudas e crônicas no pescoço podem ser tratadas com eficácia.

Em certos casos, a fisioterapia pode não ser benéfica para o alívio da dor no pescoço ou pode piorar o problema. A fisioterapia não deve ser realizada se a coluna cervical estiver muito instável ou se a dor no pescoço estiver relacionada a um problema médico sério. Nesses casos, a causa subjacente deve ser abordada antes de iniciar a fisioterapia.


Fisioterapia: tratamento passivo (modalidades) vs. ativo (exercícios)

Para dores no pescoço, a fisioterapia pode ser realizada de duas formas comuns: tratamentos passivos e ativos.

A fisioterapia passiva envolve tratamentos, que são aplicados sem esforço do paciente. Isso inclui tratamentos como compressas de gelo, terapia de calor, massagem terapêutica, ultrassom e eletroterapia. O objetivo da fisioterapia passiva é reduzir a dor e o inchaço.

A fisioterapia ativa envolve o paciente movendo seu próprio corpo através de exercícios e alongamentos. Isso melhora a força e a flexibilidade do pescoço e permite que os músculos mantenham uma boa postura, reduzindo o estresse na coluna cervical.

A fase inicial da fisioterapia para dor no pescoço geralmente envolve tratamentos mais passivos. Com o tempo, tratamentos mais ativos são incorporados. A fisioterapia costuma ser uma forma benéfica de tratamento para dores no pescoço, pois pode ajudar a reduzir a dor, o inchaço e o estresse na coluna cervical.


Quando devo procurar ajuda médica?

Procure ajuda médica se:

  • A dor não melhora dentro de algumas semanas
  • Você tem dor, formigamento, dormência ou fraqueza nos braços
  • Você desenvolve rigidez no pescoço associado à rigidez em ambos os ombros.

Dr. João Arthur Ferreira

CRM-SP 19759 / RQE 3179 Atua no tratamento de reabilitação em atletas, dor aguda e dor crônica (cervicalgia, lombalgia, enxaqueca). Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura Coordenador do CEIMEC – Centro de Estudo Integrado de Medicina Chinesa – Curso de Pós-Graduação em Acupuntura Médica, reconhecida pelo CMBA (Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura).
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (SBMFR).
Ex-Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dr. João Arthur Ferreira

Dr. João Arthur Ferreira

CRM-SP 19759 / RQE 3179 Atua no tratamento de reabilitação em atletas, dor aguda e dor crônica (cervicalgia, lombalgia, enxaqueca). Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura Coordenador do CEIMEC – Centro de Estudo Integrado de Medicina Chinesa – Curso de Pós-Graduação em Acupuntura Médica, reconhecida pelo CMBA (Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura).
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (SBMFR).
Ex-Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail