Remédio para Dor Ciática – Quais as opções?

remedio para dor ciatica

Remédios para dor ciática incluem medicamentos como anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), medicamentos relaxantes musculares e medicamentos para dor neuropática, como gabapentina, pregabalina ou duloxetina.

O tratamento conservador é a base do tratamento da ciática, com o objetivo de reduzir a dor e aliviar os sintomas. O repouso no leito, que já foi o tratamento primário, não é mais recomendado devido à pouca evidência de sua eficácia.

Analgésicos, anti-inflamatórios não esteróides e relaxantes musculares são tratamentos possíveis para dores agudas ou para aliviar a dor ciática.

Para dores recorrentes, pode ser necessário o uso de anticonvulsivantes ou antidepressivos, associados ou não a medicamentos opióides.

Neste artigo, detalharemos algumas das possibilidades de tratamento.

Diagnóstico de Dor Ciática

Analgésicos – Tratamento de dor aguda e dor leve

AnalgésicoUsos
Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)Reduz a inflamação e a dor associada à ciática
ParacetamolReduz a dor associada à ciática
DipironaAlívio de dor aguda e dor crônica.
OpioidesUsado para tratar dores fortes associadas à ciática
Relaxantes MuscularesRelaxa os músculos e reduz a dor associada à ciática

Dipirona – boa opção para tratamento de dor leve

  1. A dipirona funciona bloqueando a produção de prostaglandinas pelo corpo, substâncias que podem causar dor e inflamação.
  2. Também afeta a maneira como o cérebro e o sistema nervoso respondem aos sinais de dor.
  3. A dipirona pode ajudar a reduzir a inflamação e o inchaço, o que pode ajudar a aliviar a dor.
  4. Também pode ajudar a reduzir a intensidade e a frequência dos espasmos e cãibras musculares.
  5. A dipirona também pode ser usada para tratar náuseas, dores de cabeça e outros tipos de dor.


Paracetamol – outra opção para casos leves

  1. O paracetamol funciona bloqueando a produção de prostaglandinas, substâncias químicas que transmitem sinais de dor ao cérebro.
  2. Também tem efeito anti-inflamatório, ajudando a reduzir o inchaço e a inflamação, que podem estar associados a certos tipos de dor.
  3. O paracetamol também aumenta o limiar da dor, o que significa que é preciso mais dor para ser sentida por uma pessoa que está tomando o medicamento.


Opióides – para dor moderada/forte e dor crônica

Os opioides são uma ferramenta importante para o tratamento da dor crônica. Eles são usados para reduzir a intensidade da dor, melhorar a qualidade de vida e permitir que os indivíduos se envolvam em mais atividade física.

Para pessoas com dor crônica, os medicamentos opioides fornecem uma maneira eficaz de controlar a dor e melhorar a qualidade de vida.

Os opioides também podem ser usados para tratar uma variedade de outras condições, como dor oncológica ou dor nos nervos.

Os opioides não são isentos de riscos e devem ser usados com cautela; no entanto, eles podem ser um tratamento eficaz para a dor crônica quando usados adequadamente.

OpioideUsos
CodeínaUsado para tratar dor leve a moderada associada à ciática
TramadolUsado para tratar dor moderada a intensa associada à ciática
OxicodonaUsado para tratar dor moderada a intensa associada à ciática
MorfinaUsado para tratar dores fortes associadas à ciática
MetadonaUsado para tratar dor moderada a intensa associada à ciática
BuprenorfinaOpção terapêutica nova em forma de adesivo. Apresenta como vantagens menor intolerância gástrica e maior segurança em idosos.

Precauções com o uso de opióides

  1. Tome apenas opioides prescritos por um médico. Não tome mais do que a dose prescrita e não os tome por um período mais longo do que o prescrito.
  2. Evite misturar opioides com álcool ou outras drogas, pois isso pode aumentar o risco de danos.
  3. Se você tiver alguma alergia a opioides, informe seu médico.
  4. Se estiver grávida, amamentando ou tiver algum problema de saúde, informe seu médico antes de tomar opioides.
  5. Guarde os opioides fora do alcance de crianças e animais de estimação.
  6. Descarte qualquer opioide não usado com segurança. Devolva-os a uma farmácia ou elimine-os conforme as instruções do seu médico.


Anticonvulsivantes

Anticonvulsivantes são medicamentos comumente usados para tratar convulsões e epilepsia. Eles também podem ser usados para tratar certos tipos de dor crônica, incluindo dor neuropática. A dor neuropática é causada por danos nos nervos e pode estar associada à ciática.

Os anticonvulsivantes atuam estabilizando a atividade nervosa e reduzindo a dor nervosa. Anticonvulsivantes comumente usados para ciática incluem gabapentina (Neurontin), pregabalina (Lyrica) e carbamazepina (Tegretol).

O tempo de ação dos anticonvulsivantes na dor neuropática varia conforme o paciente e o tipo de medicamento utilizado. Geralmente, pode levar várias semanas a meses para que os anticonvulsivantes atinjam seu efeito total, pois a droga deve se acumular no sistema antes de poder tratar a dor com eficácia.

Além disso, a dose pode precisar ser ajustada ao longo do tempo para encontrar a dosagem mais eficaz para o indivíduo.

Os efeitos colaterais mais comuns dos anticonvulsivantes incluem tontura, sonolência, náusea e dor de cabeça. Outros efeitos colaterais mais graves podem incluir confusão, depressão, agressão e pensamentos suicidas. É importante conversar com seu médico sobre os riscos e benefícios de tomar anticonvulsivantes para ciática.

AnticonvulsivanteUsos
Gabapentina (Neurontin)Trata a dor neuropática associada à ciática. Alivio de parestesia, formigamento da dor ciática.
Pregabalina (Lyrica)Usado para tratar a dor neuropática associada à ciática
Carbamazepina (Tegretol)Usado para tratar a dor neuropática associada à ciática

Mecanismo de açãoAnticonvulsivantes
Bloqueadores dos canais de cálcioPregabalina, Gabapentina
Agonistas do ácido gama-aminobutírico (GABA)Tiagabina, Gabapentina
Bloqueadores dos canais de sódioCarbamazepina, Oxcarbazepina
Antagonistas de N-metil-d-aspartato (NMDA)Memantina, Cetamina


Antidepressivos

Os antidepressivos são medicamentos usados para tratar a depressão e outros transtornos do humor. Eles trabalham alterando os níveis de neurotransmissores no cérebro para melhorar o humor e reduzir a ansiedade.

Embora os antidepressivos não sejam normalmente usados para tratar ciática, algumas classes de antidepressivos, como inibidores da recaptação de serotonina-norepinefrina (SNRIs) ou antidepressivos tricíclicos, podem ser prescritos para tratar a dor crônica associada à doença.

O tempo que leva para os antidepressivos agirem na dor neuropática também é variável e depende do tipo de antidepressivo prescrito e de cada paciente. Geralmente, pode levar até quatro a seis semanas antes que o antidepressivo comece a fazer efeito e até três meses antes que o efeito total seja alcançado.

Além disso, a dose pode precisar ser ajustada ao longo do tempo para encontrar a dosagem mais eficaz para o indivíduo.

No entanto, é importante observar que os antidepressivos podem não ser eficazes na redução da dor ciática e seu uso só deve ser considerado após esgotadas as outras opções de tratamento.

Classe de antidepressivosExemplos
Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (SSRIs)Fluoxetina (Prozac), Sertralina (Zoloft), Paroxetina (Paxil)
Inibidores da recaptação de serotonina-norepinefrina (SNRIs)Venlafaxina (Effexor), Duloxetina (Cymbalta), Desvenlafaxina (Pristiq)
Antidepressivos tricíclicosAmitriptilina (Elavil), Nortriptilina (Pamelor), Doxepina (Sinequan)


Efeitos adversos de antidepressivos

Efeitos adversos de antidepressivosExplicação
SonolênciaSensação de sonolência, falta de energia e dificuldade em permanecer acordado.
TonturaSensação de instabilidade e tontura, especialmente ao se levantar.
Boca secaDiminuição da quantidade de saliva na boca, levando a uma sensação de desconforto e dificuldade para engolir.
ConstipaçãoMovimentos intestinais pouco frequentes e dificuldade em defecar.
Visão turvaPerda de clareza visual, dificultando a visão clara dos objetos.
Ganho de pesoUm aumento no peso corporal, geralmente devido a um aumento na gordura corporal.
NáuseaSensação de desconforto e enjôo no estômago, acompanhada de vontade de vomitar.
Disfunção sexualDificuldade em atingir ou manter uma ereção, ou apresentar o orgasmo.
SedaçãoSensação de extrema sonolência e letargia, muitas vezes acompanhada de fala arrastada.
Pressão arterial baixaUma diminuição na pressão arterial, levando a sintomas como tontura, fadiga e visão turva.


Prognóstico – como é a evolução da dor ciática?

A maioria dos casos de ciática resolve-se em menos de 4 a 6 semanas sem complicações a longo prazo, mesmo que não se procure tratamento médico.

Em casos mais graves ou onde o déficit neurológico está presente, o paciente pode ter um curso de recuperação mais prolongado. No entanto, a recuperação ainda é excelente.

Alguns estudos mostraram que ergonomia ruim, depressão e situações socioeconômicas ruins levam a uma chance maior de ciática crônica e recorrente.

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM 158074 / RQE 65523, 65524 | Médico especialista em Acupuntura e Fisiatria pela USP. Área de Atuação em Dor pela Associação Médica Brasileira. Doutorado em Ciências pela Universidade de São Paulo. Professor e Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP. Diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dr. Marcus Yu Bin Pai

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM 158074 / RQE 65523, 65524 | Médico especialista em Acupuntura e Fisiatria pela USP. Área de Atuação em Dor pela Associação Médica Brasileira. Doutorado em Ciências pela Universidade de São Paulo. Professor e Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP. Diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

Como evitar queloides

Como evitar queloides?

Queloides são crescimentos dérmicos benignos que surgem através da cicatrização anormal de feridas em resposta a traumas ou inflamações anteriores da pele.  O desenvolvimento de

Continue Lendo
Pupila Dilatada

O que é Pupila Dilatada? Entenda!

A pupila, uma estrutura de grande importância em nosso sistema visual, apresenta complexidade em sua constituição. Seu tamanho varia em resposta a três categorias distintas

Continue Lendo
categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail