O que é letargia? Quais os sintomas e o que fazer

letargia

Letargia, a sensação de cansaço pode significar mais do que você acha. Saiba o que é, os sintomas e o que fazer nestes casos.

Letargia é um estado de fadiga física e mental que se caracteriza por falta de energia, motivação e entusiasmo.

Os sintomas de letargia incluem baixa energia, lentidão, apatia, falta de motivação, dificuldade de concentração e dificuldade em tomar decisões. É importante observar que letargia não é o mesmo que depressão, embora as duas possam se sobrepor[1]Afari N, Buchwald D. Chronic fatigue syndrome: a review. American Journal of Psychiatry. 2003 Feb 1;160(2):221-36..

Muitas vezes falamos ou escutamos alguém falar sobre letargia, mas você sabe do que se trata? Como reconhecer os sintomas e o que fazer nestes casos?

O que é letargia?

sintomas letargia

A letargia é um estado de sono e cansaço intensos, onde a pessoa dorme por largos períodos e necessita de altas quantidades de estímulos para se manter desperta.

Se trata portanto de um estado ou sintoma físico, em que a pessoa em questão sente seu nível de energia estando mais baixo que o seu estado normal[2]Fortier-Brochu É, Beaulieu-Bonneau S, Ivers H, Morin CM. Relations between sleep, fatigue, and health-related quality of life in individuals with insomnia. Journal of psychosomatic research. 2010 … Continue reading.

Muitas vezes, a letargia vem acompanhada de alguns outros sintomas, como fala incompreensível e cansaço mental.

É um sintoma de muitas condições médicas e pode variar em gravidade, desde exaustão leve até exaustão física e mental completa.


Tabela: Alguns sintomas comuns de letargia

SintomaDescrição
Falta de energia ou motivaçãoSentir-se constantemente cansado e incapaz de reunir energia ou motivação para realizar tarefas simples
Dificuldade em se concentrar ou manter o focoLutar para prestar atenção ou manter os pensamentos organizados
Dormir mais do que o normalSentir a necessidade de dormir por períodos mais longos do que o normal
Movimentos e fala mais lentosFalar ou mover-se mais devagar do que o normal
Depressão ou apatiaSentir-se deprimido ou desinteressado em coisas que costumavam ser agradáveis
É importante observar que esses sintomas podem ser causados por vários fatores e é melhor consultar um médico para um diagnóstico adequado.


Sintoma envolvendo letargia, o que pode ser?

A letargia pode estar associada a diferentes sintomas, como por exemplo:

  • Confusão mental;
  • Sono intenso;
  • Conseguir se manter acordado apenas a partir de estímulos;
  • Fala incompreensível.

Como a letargia pode estar atrelada a diferentes causas, dependendo do que estiver a causando, é possível que alguns sintomas como febre, convulsões e mal-estar também estejam envolvidos.

Este estado de sono e cansaço intensos pode surgir em diferentes casos, como por exemplo:

  • Infecções intensas, principalmente em casos que envolvem e afetam o Sistema Nervoso Central, como a meningite e da encefalite (inflamação do cérebro);
  • Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC);
  • Problemas e alterações metabólicas;
  • Efeitos colaterais de algumas medicações, como alguns tipos de anti convulsivos;
  • Após a realização de procedimentos que envolvem o uso de anestésicos ou sedativos.

O que fazer em casos envolvendo letargia

letargia e depressao

Como as causas da letargia podem ser variadas, a maior recomendação em casos de sua suspeita é a de ir até uma emergência hospitalar, para que todos os exames necessários sejam realizados e se descubra o que está causando o sintoma.

Em alguns casos, como em infecções bacterianas, o uso de medicações antibióticas podem se fazer necessárias, em outros casos, a administração de insulina, soro ou até mesmo procedimentos cirúrgicos podem ser o caminho mais indicado.

Além desta possibilidades, em casos que a letargia seja causada por medicamentos, o uso de medicações com efeito “antídoto” podem ser administradas.

A seguir, vamos entrar em detalhes sobre cada uma das causas, por que podem ocorrer e o que fazer mais especificamente em cada caso:

Processos infecciosos

Os processos infecciosos mais comuns de causarem a letargia são por exemplo a meningite e a encefalite[3]Lim EJ, Ahn YC, Jang ES, Lee SW, Lee SH, Son CG. Systematic review and meta-analysis of the prevalence of chronic fatigue syndrome/myalgic encephalomyelitis (CFS/ME). Journal of translational … Continue reading.

A meningite se trata do processo inflamatório das meninges, finas membranas que fazem o revestimento do nosso encéfalo e da medula espinhal.

Esta infecção pode ser causada por diferentes fatores, incluindo vírus, bactérias e alguns tipos de fungos e parasitas.

Como possui diferentes agentes infecciosos, o tratamento da meningite vai depender do que a está causando, podendo ir desde a administração de antibióticos, fungicidas, repouso, alguns analgésicos e aumento da ingestão de líquidos.

Já a encefalite é a inflamação do cérebro, que por sua vez também pode ser causada por diferentes agentes infecciosos (normalmente vírus) e ser tratada de acordo com o que a causou a princípio.

Acidentes Vasculares Cerebrais

Os AVCs ocorrem quando vasos sanguíneos que fazem a irrigação do cérebro entopem ou se rompem, fazendo com que alguma parte do órgão fique por algum tempo sem fluxo sanguíneo.

Existem três tipos de Acidentes Vasculares Cerebrais, os isquêmicos, os hemorrágicos e os transitórios.

Após o acontecimento de um AVC, o que se pode fazer é tentar aliviar e superar suas sequelas, processos que variam de pessoa para pessoa, de acordo com as sequelas deixadas pelo derrame.

Medicamentos Antiepiléticos

Entre as medicações que podem ocasionar em certos graus de letargia, podemos citar os antiepilépticos como sendo um dos mais comuns que a apresenta como possível efeito colateral.

Os antiepilépticos são recomendados em casos de pacientes que apresentam convulsões, como tentativa de reduzi-las ou até mesmo cessá-las durante o período de uso da medicação.

A convulsão se caracteriza como um distúrbio em que todo o corpo, ou parte dele, sofre com contraturas musculares involuntárias, podendo apresentar grandes perigos para a integridade física e o bem estar da pessoa que as apresenta.

Além da letargia, os efeitos colaterais deste tipo de medicação podem incluir confusão mental, perda de memória, dificuldade para se concentrar e diminuição da capacidade psicomotora.

Além dos antiepilépticos, medicamentos benzodiazepínicos, como alguns antidepressivos e ansiolíticos, também podem estar associados a letargia. Nestes casos, pode ser recomendado o uso de medicações como o flumazenil, que atua como um antídoto para esses tipos de remédios, aliviando seus efeitos colaterais.

Se você acredita que está sofrendo com letargia, ou que passou ou está passando por alguns dos casos citados acima, como infecções, Acidentes Vasculares Cerebrais, ou efeitos colaterais de medicamentos, busque ajuda médica imediatamente.


Investigação inicial de letargia

É importante primeiro consultar um profissional médico para determinar a causa da letargia.

Dependendo dos resultados da consulta inicial e do exame físico, o médico pode recomendar exames adicionais para ajudar a determinar a causa.

Testes potenciais que podem ser solicitados incluem:

  • Exames de sangue: Um hemograma completo e um painel metabólico são testes comuns para verificar quaisquer possíveis patologias médicas subjacentes, como anemia ou diabetes.
  • Estudos de imagem: raios-X, tomografias computadorizadas ou ressonâncias magnéticas podem ser usadas para verificar quaisquer patologias subjacentes, como um tumor cerebral ou infecção.
  • Testes de função da tireoide: esses testes podem ajudar a descartar possíveis problemas de tireoide, como tireoide hipoativa ou hipertireoidismo.
  • Testes de função hepática: esses testes podem ajudar a descartar possíveis problemas hepáticos, como hepatite ou cirrose.
  • Exames cardiológicos: eletrocardiograma, ecocardiograma e teste ergométrico para avaliar a possibilidade de arritmias ou distúrbios de condução.
  • Exame de Urina: Este teste pode ajudar a verificar possíveis problemas renais.
  • Polissonografia – Estudo do sono: Este teste pode ajudar a verificar possíveis distúrbios do sono, como apneia do sono ou narcolepsia.


Opções gerais de tratamento inicial

O tratamento de letargia pode incluir, em um estágio inicial, as seguintes medidas:

  1. Exercício: O exercício regular aumenta os níveis de energia e pode ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.
  2. Dieta: comer refeições saudáveis, ricas em vitaminas e minerais, pode ajudar a aumentar os níveis de energia e reduzir a fadiga.
  3. Sono: Garantir que você tenha um sono reparador o suficiente pode ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.
  4. Controle do estresse: Identificar e reduzir as fontes de estresse pode ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.
  5. Vitaminas e suplementos: Vitaminas e suplementos, como vitaminas do complexo B, ferro e magnésio, podem ajudar a aumentar os níveis de energia e reduzir a fadiga e a letargia.
  6. Medicação: Certos medicamentos, como estimulantes e antidepressivos, podem ser usados para ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.
  7. Acompanhamento psicológico: terapia é benéfica para a maioria dos casos[4]Fleming L, Randell K, Harvey CJ, Espie CA. Does cognitive behaviour therapy for insomnia reduce clinical levels of fatigue, anxiety and depression in cancer patients?. Psycho‐Oncology. 2014 … Continue reading.


Opções de medicamentos para tratamento inicial

  1. Estimulantes: estimulantes como a cafeína e certos medicamentos prescritos podem ajudar a aumentar os níveis de energia e reduzir a fadiga e a letargia[5]McCluskey DR. Pharmacological approaches to the therapy of chronic fatigue syndrome. InCiba Foundation Symposium 173‐Chronic Fatigue Syndrome: Chronic Fatigue Syndrome: Ciba Foundation Symposium … Continue reading.
  2. Antidepressivos: certos antidepressivos podem ajudar a reduzir a fadiga e a letargia, melhorando o humor e aumentando os níveis de energia.
  3. Antipsicóticos: Antipsicóticos como a risperidona e o aripiprazol podem ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.
  4. Anti-histamínicos: Anti-histamínicos como a difenidramina podem ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.
  5. Tranquilizantes: Tranquilizantes como o lorazepam podem ajudar a reduzir a fadiga e a letargia.


Investigação: Diagnóstico Diferencial de Letargia

  1. Hipotireoidismo: uma condição causada por uma glândula tireoide hipoativa que não produz hormônios suficientes. Os sintomas incluem fadiga, ganho de peso, pele e cabelos secos, constipação e sensibilidade ao frio.
  2. Anemia: Uma condição causada pela falta de glóbulos vermelhos. Os sintomas incluem fadiga, pele pálida, falta de ar e fraqueza.
  3. Diabetes: Uma condição causada por uma quantidade insuficiente de insulina no corpo, que resulta em níveis elevados de açúcar no sangue. Os sintomas incluem aumento da sede, micção frequente e fadiga.
  4. Deficiência de vitamina B12: Uma condição causada pela insuficiência de vitamina B12 no organismo. Os sintomas incluem fadiga, fraqueza e dificuldade de concentração.
  5. Deficiência de Ferro: Uma condição causada pela falta de ferro no organismo. Os sintomas incluem fadiga, falta de ar e pele pálida.
  6. Síndrome de Fadiga Crônica: Uma condição caracterizada por fadiga extrema e outros sintomas que não podem ser explicados por nenhuma outra condição médica. Os sintomas incluem dores musculares, dificuldades cognitivas e dores de cabeça.
  7. Depressão: Uma condição de saúde mental caracterizada por sentimentos de tristeza e humor deprimido. Os sintomas incluem fadiga, insônia e diminuição do interesse em atividades.
  8. Desidratação: Condição causada pela ingestão insuficiente de água. Os sintomas incluem fadiga, tontura e boca seca.
  9. Intoxicação por drogas ou álcool: Uma condição causada pelo consumo excessivo de drogas ou álcool. Os sintomas incluem fadiga, fala arrastada, confusão e coordenação prejudicada.
  10. Efeitos colaterais de medicamentos: Uma condição causada por reações adversas a medicamentos. Os sintomas podem incluir fadiga, náusea e tontura.
  11. Privação do Sono: Condição causada por sono insuficiente. Os sintomas incluem fadiga, dificuldade de concentração e irritabilidade.
  12. Síndrome de Hipoventilação Central Congênita: Um distúrbio genético raro que afeta o sistema nervoso autônomo e dificulta para respirar durante o sono. Os sintomas incluem fadiga, falta de ar e tontura.
  13. Exaustão de Calor: Uma condição causada pela superexposição a altas temperaturas. Os sintomas incluem fadiga, náusea e dor de cabeça.
  14. Narcolepsia: Uma condição neurológica caracterizada por um desejo irresistível de dormir. Os sintomas incluem fadiga, ataques de sono e alucinações.
  15. Doença de Lyme: Uma doença infecciosa causada pela bactéria Borrelia burgdorferi. Os sintomas incluem fadiga, dor nas articulações e erupções cutâneas.
  16. Hipoglicemia: Uma condição causada por baixos níveis de açúcar no sangue. Os sintomas incluem fadiga, irritabilidade e confusão.
  17. Tumor cerebral: Uma condição causada por um crescimento anormal no cérebro. Os sintomas incluem fadiga, dores de cabeça e convulsões.
  18. Síndrome do Ovário Policístico: Um distúrbio hormonal que afeta os ovários. Os sintomas incluem fadiga, ganho de peso e períodos irregulares.
  19. Hipercalcemia: Uma condição causada por altos níveis de cálcio no sangue. Os sintomas incluem fadiga, náusea e constipação.

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas
1 Afari N, Buchwald D. Chronic fatigue syndrome: a review. American Journal of Psychiatry. 2003 Feb 1;160(2):221-36.
2 Fortier-Brochu É, Beaulieu-Bonneau S, Ivers H, Morin CM. Relations between sleep, fatigue, and health-related quality of life in individuals with insomnia. Journal of psychosomatic research. 2010 Nov 1;69(5):475-83.
3 Lim EJ, Ahn YC, Jang ES, Lee SW, Lee SH, Son CG. Systematic review and meta-analysis of the prevalence of chronic fatigue syndrome/myalgic encephalomyelitis (CFS/ME). Journal of translational medicine. 2020 Dec;18(1):1-5.
4 Fleming L, Randell K, Harvey CJ, Espie CA. Does cognitive behaviour therapy for insomnia reduce clinical levels of fatigue, anxiety and depression in cancer patients?. Psycho‐Oncology. 2014 Jun;23(6):679-84.
5 McCluskey DR. Pharmacological approaches to the therapy of chronic fatigue syndrome. InCiba Foundation Symposium 173‐Chronic Fatigue Syndrome: Chronic Fatigue Syndrome: Ciba Foundation Symposium 173 2007 Sep 28 (pp. 280-297). Chichester, UK: John Wiley & Sons, Ltd..

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM 158074 / RQE 65523, 65524 | Médico especialista em Acupuntura e Fisiatria pela USP. Área de Atuação em Dor pela Associação Médica Brasileira. Doutorado em Ciências pela Universidade de São Paulo. Professor e Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP. Diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dr. Marcus Yu Bin Pai

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM 158074 / RQE 65523, 65524 | Médico especialista em Acupuntura e Fisiatria pela USP. Área de Atuação em Dor pela Associação Médica Brasileira. Doutorado em Ciências pela Universidade de São Paulo. Professor e Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP. Diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail