Nomofobia – Medo irracional de ficar sem Celular

nomofobia

A nomofobia é uma condição caracterizada por um medo irracional de ficar sem um telefone celular. O termo foi usado pela primeira vez em 2009 no Reino Unido, derivado da combinação de “no-mobile-phone-phobia“. Esse distúrbio está se tornando cada vez mais prevalente entre a geração mais jovem, que prefere seus telefones sempre ao alcance.

Nos últimos anos, a prevalência de problemas relacionados a smartphones vem crescendo. As investigações sobre o assunto caracterizaram esse fenômeno como viciante, antissocial e perigoso[1]Farooqui IA, Pore P, Gothankar J. Nomophobia: an emerging issue in medical institutions?. Journal of Mental Health. 2018 Sep 3;27(5):438-41..

O vício em smartphones tornou-se tão difundido que agora é considerado semelhante a qualquer outro vício em substâncias nocivas, tornando-se um problema de saúde pública.

O uso excessivo desse dispositivo e a dependência que ele gera levaram ao surgimento de uma nova patologia conhecida como nomofobia, que agora é considerada um distúrbio clínico[2]King AL, Valenca AM, Silva AC, Baczynski T, Carvalho MR, Nardi AE. Nomophobia: Dependency on virtual environments or social phobia?. Computers in human behavior. 2013 Jan 1;29(1):140-4..


O que é Nomofobia?

uso do celular nomofobia

O termo nomofobia é a abreviação do termo em inglês “no mobile phobia“, que significa medo de ficar sem o celular, ou mesmo outros aparelhos móveis, como o tablet.

É um transtorno que atinge principalmente adultos, jovens e adolescentes, que fazem parte da geração que cresceu na era da internet[3]Gonçalves S, Dias P, Correia AP. Nomophobia and lifestyle: Smartphone use and its relationship to psychopathologies. Computers in Human Behavior Reports. 2020 Aug 1;2:100025..

É o medo de se sentir desconectado do mundo digital e promove o desenvolvimento de transtornos mentais, transtornos de personalidade, problemas de autoestima, solidão e felicidade.

A nomofobia está associada a uma forte dependência da tecnologia móvel, afetando a prática profissional por provocar distrações constantes e influenciar as relações e interações entre os indivíduos.

Esse distúrbio moderno aumenta a chance de desenvolver outros sintomas, tais como:

Argumosa-Villar et al.argumentam que a Nomofobia tem efeitos de amplo alcance em vários aspectos da vida, especialmente nas relações sociais, acadêmicas e profissionais.


Sintomas da Nomofobia

nomofobia sintomas

Como se trata de um problema novo, ainda é difícil definir todos os sintomas específicos[4]Hasmawati F, Samiha YT, Razzaq A, Anshari M. Understanding nomophobia among digital natives: Characteristics and challenges. Journal of Critical Reviews. 2020;7(13):122-31..

Mas especialistas já conseguiram identificar alguns sinais de alerta, presentes em menor ou maior grau nos pacientes com nomofobia, como:

  • Acordar durante a noite para checar possíveis notificações do celular;
  • Estar sempre próximo ao aparelho, e sentir-se mal caso o celular descarregue ou seja esquecido em outro ambiente;
  • Preferir interações virtuais, e evitar interagir face a face com outras pessoas;
  • Sentir o celular vibrando, mesmo que ele não esteja próximo. Esse fenômeno é chamado de “vibração fantasma”, e pode ser um sinal de que o problema está piorando.


SintomaExplicação
Agitação, ansiedadeA ansiedade é um sintoma comum da nomofobia e pode se manifestar como preocupação excessiva ou medo sobre a incapacidade do indivíduo de acessar a tecnologia ou a mídia social.
Sintomas depressivos, tristezaA depressão pode ser um sintoma de nomofobia, pois sentimentos de tristeza, desesperança e inutilidade podem se desenvolver devido a uma dependência excessiva da tecnologia e das mídias sociais.
Incapacidade de concentraçãoUm indivíduo com nomofobia pode achar difícil se concentrar nas tarefas devido à necessidade constante de verificar seu dispositivo ou contas de mídia social.
IrritabilidadeA irritabilidade é um sintoma comum da nomofobia, pois o indivíduo pode ficar frustrado ou com raiva quando não consegue acessar sua tecnologia ou mídia social.

Consequências da Nomofobia

nomofobia 1

O uso exagerado do smartphone pode acarretar algumas consequências para a saúde mental, além de agravar outros problemas que a pessoa porventura tenha.

Assim, podemos citar como principais consequências:

  • Dificuldades para interagir com outras pessoas no dia a dia;
  • Problemas de concentração, uma vez que a necessidade de usar constantemente o celular impede que a pessoa mantenha a atenção em outras atividades;
  • Piora de outros problemas de saúde mental, como a ansiedade;
  • Dificuldades para realizar atividades do dia a dia, uma vez que a utilização constante do telefone consome muito tempo.

Estudo de revisão sistemática sobre Nomofobia publicado em 2020 encontrou que o sexo e a idade jovem são preditores potenciais de nomofobia[5]Rodríguez-García AM, Moreno-Guerrero AJ, Lopez Belmonte J. Nomophobia: An individual’s growing fear of being without a smartphone—a systematic literature review. International Journal of … Continue reading.

  • Estudos em estudantes de ciências da saúde, como enfermagem e medicina, revelaram altos níveis de nomofobia, no entanto, estudantes de engenharia apresentaram taxas ainda mais altas.
  • A nomofobia tem um impacto negativo nos resultados de aprendizagem e no desempenho acadêmico, além de levar a lesões físicas e transtornos mentais.
  • Extrovertidos e aqueles com déficits de consciência, atenção, estabilidade emocional e autoestima são mais propensos a sofrer de nomofobia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) relatou que a nomofobia aumenta o risco de desenvolver problemas de saúde mental, em particular transtornos afetivos.

Diagnóstico

O diagnóstico deve ser realizado por um profissional médico, de preferência, um médico psiquiatra.

DiagnósticoExplicação
Avaliação de NomofobiaUma avaliação psicológica pode ser usada para diagnosticar a nomofobia. Normalmente inclui perguntas sobre o uso da tecnologia pelo indivíduo, bem como seus sentimentos quando não conseguem acessá-la.
Avaliação de Saúde MentalUma avaliação de saúde mental pode ser usada para avaliar quaisquer condições subjacentes de saúde mental que possam estar contribuindo para a nomofobia. Isso pode incluir perguntas sobre os sintomas atuais e passados do indivíduo, bem como qualquer histórico familiar de transtornos de saúde mental.
Exames de laboratórioExames de laboratório, como exames de sangue e urina, podem ser usados para descartar quaisquer possíveis causas físicas de nomofobia. Isso pode incluir testes para drogas, hormônios e outras condições médicas.
Exames de imagemExames de imagem, como ressonância magnética ou tomografia computadorizada, podem ser usados para descartar quaisquer possíveis causas físicas de nomofobia, como um tumor cerebral.

Diagnóstico Diferencial

Outras patologias a serem consideradas e avaliadas incluem:

Diagnóstico DiferencialExplicação
Transtorno de ansiedadeA nomofobia pode ser um sintoma de um transtorno de ansiedade, como Transtorno de Ansiedade Social (TAS), Transtorno de Pânico, Transtorno de Ansiedade Generalizada (GAD) ou Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT). Essas condições são caracterizadas por um medo excessivo e muitas vezes irracional de certas atividades ou situações, que podem se manifestar como preocupação excessiva, sintomas físicos e evitação.
DepressãoA depressão pode ser um fator que contribui para a nomofobia, pois sentimentos de tristeza, desesperança e inutilidade podem levar o indivíduo a se apegar à tecnologia e às mídias sociais como uma forma de conforto.
Abuso de substânciasO abuso de substâncias pode ser um fator no desenvolvimento da nomofobia. À medida que um indivíduo se torna mais dependente de drogas ou álcool, sua dependência da tecnologia pode aumentar para lidar com o vício.
Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)O TOC é um transtorno de ansiedade caracterizado por pensamentos intrusivos e indesejados e comportamentos compulsivos. É possível que um indivíduo com TOC fique obcecado por tecnologia ou mídia social, resultando em nomofobia.


Prevenção

nomofobia o que e

Assim como ocorre com outros vícios, algumas pessoas precisam de ajuda profissional para aprender a lidar com o problema. Entretanto, existem algumas dicas que podem ajudar a evitar que o uso do smartphone se torne um vício.

São elas:

  • Definir um horário para se desconectar, tanto do celular quanto de outros aparelhos;
  • Estabelecer um limite de tempo para utilizar o celular, e tentar seguir isso à risca;
  • Realizar atividades ao ar livre, sozinho ou em companhia de outras pessoas;
  • Tentar, sempre que possível, interagir pessoalmente com amigos e familiares, para evitar que esses contatos se deem apenas pela internet.

Assim, é possível diminuir a chance de se tornar dependente do aparelho celular, ao mesmo tempo que se desenvolve relacionamentos sociais mais estreitos e realiza atividades prazerosas.

Todavia, caso sinta que não consegue controlar o tempo de uso do celular, e o uso do dispositivo comece a atrapalhar outros aspectos de sua vida, é importante procurar ajuda profissional, antes que o quadro se agrave.


Tratamento

nomofobia celular adolescentes

O tratamento da nomofobia pode envolver diferentes abordagens, como a psicoterapia e o uso de medicamentos.

Além disso, caso o problema esteja ligado a outros transtornos, como a ansiedade e a depressão, pode ser necessário o uso de medicamentos específicos, uma vez que o controle das doenças de base é essencial para tratar a nomofobia.

Por isso, é importante procurar um profissional de saúde, como um médico ou psicólogo, que poderá avaliar melhor o seu caso e definir a linha de tratamento mais adequada.

Tratamento Psicológico

Tratamento não farmacológicoExplicação
PsicoeducaçãoA psicoeducação envolve educar os indivíduos sobre a natureza da nomofobia, fornecendo-lhes uma compreensão de por que ela existe e como pode ser gerenciada. Esse processo pode incluir informações sobre o desenvolvimento da nomofobia, as formas pelas quais a tecnologia pode ser usada com responsabilidade e formas alternativas de controlar o estresse e a ansiedade.
Terapia Cognitiva Comportamental (TCC)CBT é uma forma de psicoterapia que se concentra em ajudar os indivíduos a identificar, desafiar e modificar pensamentos e comportamentos que estão contribuindo para sua nomofobia. Por meio da TCC, os indivíduos podem aprender como gerenciar com eficácia seus pensamentos e comportamentos para reduzir seus sintomas.
Treinamento de atenção plenaO treinamento de atenção plena é uma forma de meditação que encoraja os indivíduos a se tornarem conscientes de seus pensamentos, sentimentos e sensações físicas no momento presente. Essa prática pode ajudar os indivíduos a lidar com a ansiedade e o estresse associados à nomofobia, ajudando-os a permanecerem ancorados no momento presente e a não serem pegos pela ansiedade do futuro.
Gerenciamento de estresseTécnicas de controle do estresse, como exercícios de relaxamento e respiração profunda, podem ajudar os indivíduos a reduzir os sintomas físicos e psicológicos da nomofobia. Essas técnicas podem ser usadas para ajudar os indivíduos a relaxar e controlar sua ansiedade no momento, bem como ajudá-los a desenvolver resiliência ao estresse a longo prazo.

Perguntas Frequentes sobre Nomofobia

A nomofobia é um distúrbio mental?

Nomofobia, ou fobia sem telefone celular, não é um transtorno mental no sentido técnico. No entanto, é um tipo de ansiedade que pode ser grave o suficiente para interferir nas atividades e relacionamentos diários.

Quais são os sintomas de nomofobia?

Os sintomas da nomofobia podem incluir sentir-se ansioso quando separado do telefone, sentir vontade de verificar constantemente o telefone e sentir-se chateado ou em pânico quando o telefone não está funcionando. Outros sintomas podem incluir dificuldade de concentração, incapacidade de se desconectar do telefone e, em casos extremos, ataques de pânico ou depressão.

A nomofobia é um vício?

Embora a nomofobia não seja um transtorno mental, ela pode se tornar um vício se não for tratada. Isso pode levar a problemas sérios, como negligenciar responsabilidades, relacionamentos tensos e aumento do estresse.

Nomofobia tem cura?

A nomofobia pode ser tratada com terapia cognitivo-comportamental, técnicas de atenção plena e outras técnicas terapêuticas. Esses tratamentos podem ser usados para ajudar os indivíduos a identificar e abordar problemas subjacentes que podem estar contribuindo para sua nomofobia. Com o tratamento e apoio certos, os indivíduos podem aprender a administrar sua nomofobia e viver uma vida saudável e gratificante.

Conclusão

Seus filhos são viciados em tecnologia? Se você está preocupado que seus filhos possam estar enfrentando dependência de tecnologia, é importante conhecer os sinais.

Considere fazer um teste online para avaliar o nível de vício em tecnologia. Se seu filho apresentar algum dos sinais indicadores, procure ajuda profissional. A terapia cognitivo-comportamental é uma ótima maneira de ajudá-los a quebrar o hábito da tecnologia.

Também é importante tomar medidas para prevenir o vício em tecnologia em primeiro lugar. Defina limites e regras para o uso da tecnologia. Por exemplo, desative as notificações de aplicativos de mídia social como Facebook e Twitter em seu telefone. Isso pode ajudar a reduzir a tentação de verificar as atualizações nas redes sociais.

Além disso, é uma boa ideia fazer com que seus filhos guardem seus aparelhos durante o jantar, enquanto fazem o dever de casa e enquanto dirigem. Essas medidas podem ajudar muito a prevenir o vício em tecnologia a longo prazo.

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas
1 Farooqui IA, Pore P, Gothankar J. Nomophobia: an emerging issue in medical institutions?. Journal of Mental Health. 2018 Sep 3;27(5):438-41.
2 King AL, Valenca AM, Silva AC, Baczynski T, Carvalho MR, Nardi AE. Nomophobia: Dependency on virtual environments or social phobia?. Computers in human behavior. 2013 Jan 1;29(1):140-4.
3 Gonçalves S, Dias P, Correia AP. Nomophobia and lifestyle: Smartphone use and its relationship to psychopathologies. Computers in Human Behavior Reports. 2020 Aug 1;2:100025.
4 Hasmawati F, Samiha YT, Razzaq A, Anshari M. Understanding nomophobia among digital natives: Characteristics and challenges. Journal of Critical Reviews. 2020;7(13):122-31.
5 Rodríguez-García AM, Moreno-Guerrero AJ, Lopez Belmonte J. Nomophobia: An individual’s growing fear of being without a smartphone—a systematic literature review. International Journal of Environmental Research and Public Health. 2020 Jan;17(2):580.

Dr. Andrew Seung Ho Park

CRM-SP: 157730 RQE: 67991 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Residência Médica de Fisiatria pelo HC-FMUSP. Residência Médica em Neurofisiologia Clínica pelo HC-FMUSP. Pós-Graduação em Dor pelo Centro de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Professor Colaborador do CEIMEC – Centro Integrado de Estudo em Medicina Chinesa. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (SBMFR).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dr. Andrew Seung Ho Park

Dr. Andrew Seung Ho Park

CRM-SP: 157730 RQE: 67991 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Residência Médica de Fisiatria pelo HC-FMUSP. Residência Médica em Neurofisiologia Clínica pelo HC-FMUSP. Pós-Graduação em Dor pelo Centro de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Professor Colaborador do CEIMEC – Centro Integrado de Estudo em Medicina Chinesa. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (SBMFR).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail