Constipação: O que é?

dor abdominal constipacao

A constipação é um distúrbio no trato gastrointestinal, que pode resultar em fezes infrequentes, dificuldade na passagem das fezes com dor e rigidez. A constipação aguda pode causar o fechamento do intestino, que pode até exigir cirurgia.

A constipação é um problema gastrointestinal comum, que causa muitos gastos para a comunidade com prevalência estimada de 1% a 80%, em todo o mundo, onde a condição é caracterizada por uma ampla variação geográfica. 

Ressalta-se que as variedades de definições levaram a uma ampla faixa de prevalência.


Causas da constipação

o que e constipacao

A patogênese é multifatorial com foco no tipo de dieta, predisposição genética, motilidade colônica e absorção, além de fatores comportamentais, biológicos e farmacêuticos. 

Além disso, a ingestão dietética de baixa fibra, a ingestão inadequada de água, o estilo de vida sedentário, a síndrome do intestino irritável (SII), a incapacidade de responder ao desejo de defecar e o trânsito lento revelaram estar associados à predisposição

No geral, vários fatores contribuem para a constipação, incluindo menor status socioeconômico, menor escolaridade dos pais, atividade física, medicamentos, depressão, abuso físico e sexual e eventos da vida cotidiana.

A longa lista e a heterogeneidade de fatores relacionados indicam que muitos fatores fisiopatológicos causam os mesmos sintomas e muitas vezes são indetectáveis ​​nas formas iniciais. Em relação às complexas interações de vários fatores fisiopatológicos, deve-se ter cautela na aplicação de estratégias terapêuticas baseadas em apenas um deles.

Diferentes estudos investigaram os efeitos de 1 fator na constipação, enquanto sua multiplicidade, interação mútua e natureza de sobreposição devem ser consideradas para evitar simplificação excessiva. A falta de uma dieta contendo vegetais e o baixo consumo de líquidos podem levar à constipação.

Alguns medicamentos e condições fisiológicas (por exemplo, gravidez e idade) foram revelados para aumentar o risco de consumo. Além disso, várias doenças também estão associadas à redução do movimento, como lesão na medula espinhal ou distúrbios musculoesqueléticos (distrofia muscular), que também são causas comuns dessa condição. 

Além disso, algumas doenças do intestino grosso parecem interferir nos movimentos do cólon, como síndrome do intestino irritável, disfunção do assoalho pélvico e distúrbios de depressão. Vale a pena notar que as seções a seguir forneceram as causas da constipação e outros aspectos.

As causas comuns de constipação crônica incluem falta de fibras (consumo inadequado de frutas, vegetais e outros alimentos que contenham fibras), falta de água potável ou líquidos. Nesses casos, a constipação geralmente não é um problema grave e pode ser controlada e tratada corrigindo hábitos nutricionais e estilos de vida.

Estudos indicaram que uma dieta rica em fibras pode aumentar o peso das fezes, resultando em uma diminuição do tempo de trânsito do cólon, enquanto uma dieta pobre em fibras induz constipação. Além disso, foi revelado que o aumento da dieta de fibras pode melhorar os sintomas em pacientes com trânsito colônico normal e função anorretal, enquanto pacientes constipados com trânsito colônico atrasado não melhoraram com o aumento da fibra alimentar.

O aumento do consumo de fibras não normaliza o trânsito colônico, podendo até piorar seus sintomas através do metabolismo da fibra em decorrência do gás produzido. Por outro lado, foi demonstrado que dietas com fibras solúveis (ou seja, psyllium ou ispaghula), mas não dietas com fibras insolúveis (farelo de trigo), podem estar associadas à melhora dos sintomas na constipação crônica.

Uma revisão sistemática mostrou que a fibra solúvel melhorou os sintomas de constipação na síndrome do intestino irritável com efeitos variados na dor abdominal.


Diagnóstico da constipação intestinal

constipacao intestinal
sport woman take intestine board in the forest

Vários critérios devem ser investigados na avaliação clínica, incluindo a frequência e consistência das fezes, tamanho das fezes, duração dos sintomas, obstrução excessiva e histórico de ignorar a chamada para defecar e sensação de evacuação incompleta ou uso de palpação da mão durante a defecação. 

A avaliação clínica deve ser considerada para identificar sintomas específicos de constipação (sintomas alarmantes), histórico médico e causas orgânicas, bem como medicamentos. 

Por outro lado, a duração desse problema deve ser considerada para que a duração do problema possa ser útil para a diferenciação dos defeitos congênitos das causas em adolescentes ou adultos jovens. Perguntas sobre o início da constipação são valiosas para obter informações etiológicas úteis sobre mudanças na dieta, medicação e problemas psicológicos relacionados. 

Os sintomas de alarme são caracterizados por mudanças nos hábitos intestinais após os 50 anos, início agudo de constipação em indivíduos mais velhos, sangue misturado nas fezes, perda de peso, anemia, doença inflamatória intestinal, sintomas de desordem orgânica e uma forte família de câncer colorretal.

As representações pictóricas da forma das fezes, com base na escala de forma das fezes de Bristol e nos diários intestinais, têm sido indicadas como uma técnica confiável para descrever os hábitos intestinais, preditores mais promissores do trânsito colônico em comparação com a frequência de fezes autorreferida. 

Entretanto, as causas secundárias de constipação devem ser consideradas. 

A história clínica exata parece suficiente para identificar a doença ou medicamentos que podem estar envolvidos na constipação. Exames laboratoriais básicos, como hemograma completo (CBC), avaliação de eletrólitos, glicose, cálcio e testes de urina e função da tireoide podem ser realizados inicialmente neste tópico.

Constipação associada à medicação ou anormalidades estruturais, como tumores ou estenoses, são raras no exame clínico e os exames não são realizados a menos que haja fortes evidências.

Após a história inicial e o exame físico, uma série de exames deve ser realizada para excluir distúrbios que podem ser tratados (como hipotireoidismo) ou significativos para detecção precoce (por exemplo, câncer de cólon). 

Exames específicos são necessários para distúrbios endócrinos, metabólicos, neurológicos ou vasculares do colágeno de acordo com os achados do exame físico. Testes metabólicos (por exemplo, perfil bioquímico, hormônio estimulante da tireoide, glicose e cálcio) não são recomendados para constipação crônica sem fortes evidências.

O toque retal deve ser realizado em pacientes com constipação crônica para buscar causas secundárias de constipação, incluindo a presença de causa de dor anal (por exemplo, fissuras ou hemorroidas trombosadas), palpação com o dedo indicador, tônus ​​do esfíncter em repouso, avaliação digital do tônus ​​anal durante o repouso e espremer, bem como procurar retocele na parede anterior.

Tratamentos apropriados são necessários se esta avaliação clínica fornecer uma causa secundária para a constipação. 

Os medicamentos do paciente podem ser ajustados para evitar aqueles com efeitos constipantes. Laxantes de fibra e/ou de venda livre  (polietilenoglicol, picossulfato de sódio ou bisacodil) podem ser iniciados. 

Uma avaliação de precisão retal digital, que envolve a avaliação do movimento do assoalho pélvico durante a evacuação simulada, é uma prioridade para um exame superficial sem essas manobras antes de ser encaminhado para manometria anorretal. 

Além da avaliação clínica e do toque retal, os seguintes métodos devem ser considerados para o diagnóstico de constipação crônica, quando há suspeita de disfunção do assoalho pélvico ou na ausência de resposta ao tratamento.


Endoscopia é necessária?

Procedimentos estruturais, incluindo sigmoidoscopia flexível (FS) ou colonoscopia, podem ser muito eficazes na obtenção de evidências para a causa de sintomas inexplicáveis, uso de laxantes crônicos e lesões mucosas (por exemplo, úlceras retais, doença inflamatória intestinal, cólon e câncer retal).

A colonoscopia diagnóstica só é necessária em indivíduos com sintomas de alarme (ou seja, sangue nas fezes, anemia, sangramento retal, doença inflamatória intestinal, prolapso retal, sintomas obstrutivos, perda de peso, etc.) 


Tratamento de constipação: Medicamentos

constipacao dor no abdomen

Vários medicamentos causadores de constipação são indicados como agentes causadores de constipação, incluindo drogas antipiréticas (por exemplo, morfina e codeína), drogas anticolinérgicas (Hyoscine), antidepressivos (Imipramina e fluoxetina), drogas antiepilépticas (por exemplo, fenitoína e carbamazepina), antipsicóticos (haloperidol e clozapina), alimentos suplementos contendo ferro e cálcio.


Abordagem geral para o manejo da constipação crônica

A ingestão de fibras demonstrou melhorar a constipação funcional. Tem sido indicado que dietas com fibra solúvel podem beneficiar pacientes que sofrem de constipação crônica e síndrome do intestino irritável. 

Existem estudos que indicaram menor eficácia da suplementação em pacientes que sofriam de distúrbios defecatórios lentos ou constipação de trânsito lento (STC), enquanto os pacientes tendem a não responder à ingestão de fibras .  Por outro lado, vários estudos relataram que os suplementos de fibras podem melhorar os sintomas intestinais em pacientes com constipação crônica. Suplementos e/ou um agente osmótico barato foram introduzidos para constipação (por exemplo, leite de magnésia, ou polietilenoglicol).

A prevalência é de 16% na população geral (variação entre 0,7% e 79%). Portanto, as opções diagnósticas e terapêuticas são importantes para o tratamento da constipação crônica. Uma melhor compreensão da fisiopatologia da constipação crônica e informações em termos de eficácia e segurança do agente farmacológico podem ajudar os médicos no tratamento e manejo dos sintomas da constipação. 

Finalmente, um algoritmo de diagnóstico e tratamento é proposto para a constipação crônica no presente estudo. A eficácia de várias estratégias de tratamento foi revelada; no entanto, a insatisfação considerável entre os pacientes não pode ser ignorada. 

Portanto, deve-se ter em mente que tais pacientes precisam ser descritos com precisão em termos de seus componentes. A história precisa, juntamente com uma avaliação retal física e digital completa e avaliação abrangente, pode ser usada para diagnosticar constipação aguda ou crônica, bem como condição primária ou secundária. 

A avaliação diagnóstica deve ser feita com um método apropriado para definir a natureza do trânsito do cólon ou  aprovando a ausência de uma doença primária que resulte em sintomas de constipação. 


Medicamentos para constipação

A lubiprostona e a linaclotida podem ser consideradas 2 drogas favoráveis, se os laxantes não forem eficazes na redução dos sintomas. Vale ressaltar que a terapia de biofeedback é um método útil para melhorar os sintomas intestinais e a defecação dissinérgica. 


É preciso cirurgia?

Intervenções cirúrgicas podem ser aplicadas se o tratamento médico falhou em pacientes constipados. 

Além disso, um retreinamento do assoalho pélvico com biofeedback é recomendado antes da cirurgia em pacientes que sofrem de distúrbio de evacuação.

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM 158074 / RQE 65523, 65524 | Médico especialista em Acupuntura e Fisiatria pela USP. Área de Atuação em Dor pela Associação Médica Brasileira. Doutorado em Ciências pela Universidade de São Paulo. Professor e Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP. Diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dr. Marcus Yu Bin Pai

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM 158074 / RQE 65523, 65524 | Médico especialista em Acupuntura e Fisiatria pela USP. Área de Atuação em Dor pela Associação Médica Brasileira. Doutorado em Ciências pela Universidade de São Paulo. Professor e Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP. Diretor do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

Como evitar queloides

Como evitar queloides?

Queloides são crescimentos dérmicos benignos que surgem através da cicatrização anormal de feridas em resposta a traumas ou inflamações anteriores da pele.  O desenvolvimento de

Continue Lendo
Pupila Dilatada

O que é Pupila Dilatada? Entenda!

A pupila, uma estrutura de grande importância em nosso sistema visual, apresenta complexidade em sua constituição. Seu tamanho varia em resposta a três categorias distintas

Continue Lendo
categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail