O Que É Um Peso Normal Para Um Jovem de 18 Anos?

Os 18 anos é uma época de transição, durante a qual uma criança se torna um adulto. O Desenvolvimento físico, emocional e mental ocorre em ritmos diferentes para cada pessoa, nas diferentes fases.  Por isso, para ter um melhor entendimento dessas alterações foi dividido em três categorias1:

  • Adolescência inicial: 13 e 15 anos;
  • Adolescência média: 15 e 17 anos;
  • Adolescência tardia: 18 e 21 anos.

O final da adolescência começa aos 18 anos. Nessa fase, existem alguns aspectos característicos como:

  • Desenvolvimento da independência social, emocional, financeira e física da família (momento em que o adolescente deixa a casa para frequentar a universidade ou buscam um emprego em período integral).

Nessa idade, o desenvolvimento psicológico influenciará diretamente suas escolhas alimentares e de bebidas. Vale lembrar, que entre 40% a 50% do peso corporal adulto é alcançada durante a adolescência.

Deve-se ter um olhar atento as alterações na composição corporal, que estão interligadas às alterações de peso e estatura, mas que também sofre influência dos hábitos alimentares1.


Como Avaliar O Peso de Um Jovem de 18 Anos

A definição de um peso normal para um jovem de 18 anos é mediante a manutenção do Índice de Massa Corporal (IMC) por idade (IMC/I) entre os percentis 3 e 85 ou entre o escore z -2 e + 1 nos gráficos de Curva de Crescimento da OMS2,6

Por exemplo, uma menina de 18 anos com altura média de 163,05 cm, um peso entre 44,35 kg a 66,25 kg é considerado normal. Por outro lado, um menino de 18 anos com altura média de 176,17 cm terá um peso normal entre 54,3 kg a 77,75 kg.

Porém, os meninos ganham duas vezes mais massa magra que as meninas. Por isso, há uma diferença na porcentagem de massa livre de gordura e massa gorda.

A utilização do IMC/I de forma isolada não é muito fidedigno para a avaliação do estado nutricional de um jovem de 18 anos, visto que ele não traz essa distinção de massa magra e massa gorda.

No entanto, combinado com outras ferramentas de saúde, como dobras cutâneas, circunferência do braço, circunferência do abdome, além de uma completa anamnese nutricional, possibilitará definir o diagnóstico nutricional daquele indivíduo.

A circunferência da cintura (CC) é um bom método de identificação de crianças e adolescentes com maior risco cardiometabólico, porém não há consenso sobre os pontos de corte e pontos anatômicos para essa população4.

Normalmente, na prática clínica e ambulatorial, utiliza-se como adequado a CC no percentil 85 sugerida por McCarthy et al., para estudos populacionais ou no percentil 90 para idade e sexo, proposto por Freedman et al4.


Como Classificar Excesso de Peso Para Um Jovem de 18 Anos?

medidas

De acordo com a curva de crescimento da OMS2,6, um adolescente de 18 anos tem o diagnóstico de sobrepeso quando o  valor do IMC/I estiver entre os percentis 85 e 97 ou entre os escores z +1 e +2. Já o diagnóstico de obesidade é quando o valor do IMC/I estiver entre os percentis 97 e 99,9 ou entre os escores z +2 e +3 e obesidade grave quando o percentil estiver acima de 99,9 ou acima do escore z +3 (ver Quadro 1).

No entanto, essa ferramenta é apenas uma classificação para ser utilizada como triagem e não são determinantes do estado de saúde se usadas de forma isolada.

Ou seja, se um menino de 18 anos que tem muita massa muscular, provavelmente também terá um IMC mais elevado. Por isso, a importância de observar a composição corporal e os hábitos gerais de saúde antes de classificar como sobrepeso ou obesidade.

Para facilitar os cálculos é possível utilizar o programa Antro Plus.

Clique neste link: https://www.who.int/tools/growth-reference-data-for-5to19-years/application-tools: disponibilizado gratuitamente no website da Organização Mundial da Saúde.

z-escore (percentil)10 a 19 anos incompletos
< -3 (P 0,1)Magreza acentuada
≥ -3 (P 0,1) e < -2 (P 3)Magreza
≥ -2 (P 3) e ≤ +1 (P 85)Eutrofia **
> +1 (P 85) e ≤ +2 (P 97)Sobrepeso
> + 2 (P 97) e≤ + 3 (P 99,9)Obesidade
> + 3 (P 99,9)Obesidade grave
Pontos de Corte do IMC Por Idade Segundo (OMS, 2007)

**Eutrofia não significa ausência de desnutrição, mas proporcionalidade adequada do peso para estatura.


Quando Um Jovem de 18 Anos Pode Fazer Dieta?

Fazer dieta para a perda de peso em um de jovem de 18 anos deve ser determinada pela gravidade da obesidade e presença de comorbidades.

dieta 1

Como nessa idade ainda está em processo de crescimento e desenvolvimento corporal, a manutenção do peso pode ser uma meta mais plausível para adolescentes de 18 anos com obesidade leve, pois o IMC reduzirá a medida que for crescendo4.

Em contrapartida, a perda de peso é recomendada nos casos de obesidade grave na presença de comorbidades. Foi sugerido que uma perda de peso de até 1 kg por semana é seguro para adolescentes com obesidade grave e comorbidades4.

No entanto, nos casos em que o adolescente já completou o estirão de crescimento, a perda de peso é melhor definida pelo profissional de saúde e apresenta maior evidencia científica.

O manejo ponderal para jovens de 18 anos se baseia em estratégias comportamentais com o objetivo da redução no consumo total de calorias, diminuição do tempo sedentário e aumento da prática de exercício físico.

Também é recomendado incluir a família do adolescente nessas abordagens comportamentais para estimular ainda mais este jovem a entender os benefícios de um estilo de vida mais saudável.

Além disso, é observado que a participação dos pais durante o tratamento da obesidade do filho (a) mostra melhores resultados na evolução do paciente quando comparado a participação do jovem sozinho.

Outro fato é que adolescentes aderem melhor às dietas balanceadas com porções equilibradas de todos os grupos alimentares do que às dietas com baixa quantidade de carboidratos, por exemplo.

Outra evidência científica é da associação entre obesidade e a redução do tempo de sono noturno. Então entende-se que uma boa qualidade e quantidade de sono deve ser recomendada: de 8h a 10h de sono noturno para adolescentes.


Referências Bibliográficas:

  1. Mahan, LK; Escott-Stump, S; Raymond, JL. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. 1228 p.
  2. Sociedade Brasileira de Pediatria. Accessed at: https://www.sbp.com.br/departamentos/endocrinologia/graficos-de-crescimento/
  3. Sociedade Brasileira de Pediatria. Avaliação nutricional da criança e do adolescente – Manual de Orientação / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. – São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia, 2009. 112 p
  4. Sociedade Brasileira de Pediatria – Departamento de Nutrologia Obesidade na infância e adolescência – Manual de Orientação / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Nutrologia. 3ª. Ed. – São Paulo: SBP. 2019. 236 p.
  5. Vitolo, MR. Nutrição: da gestação ao envelhecimento / Nutrition from pregnancy to eldery – Rio de Janeiro; Ed. Rubio; 2008.
  6. World Health Organization.Accessed at: http://www.who.int/growthref/en/

Raísa Vitena da Silva Araújo

CRN5 9100. Nutricionista pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Especialista em Nutrição Clínica sob a forma de Residência pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Ex-colaboradora da equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional do Instituto Couto Maia. Atendimento Nutricional em Salvador - Bahia (Clínica Nutrir & Saúde) e Online para todo o Brasil.

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Raísa Vitena da Silva Araújo

Raísa Vitena da Silva Araújo

CRN5 9100. Nutricionista pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Especialista em Nutrição Clínica sob a forma de Residência pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Ex-colaboradora da equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional do Instituto Couto Maia. Atendimento Nutricional em Salvador - Bahia (Clínica Nutrir & Saúde) e Online para todo o Brasil.

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail