Prednisona: O Que É e Para Que Serve?

A prednisona é um medicamento com ação anti-inflamatória, além de alto poder imunossupressor, da classe dos glicocorticoides. Sua classe também é chamada de corticoide ou corticoesteroide, e é uma versão sintética do hormônio cortisol.

Endogenamente, o corpo humano produz e secreta glicocorticoides pelo córtex adrenal, exercendo um papel importante em diversos órgãos e sistemas.

Sua concentração circulante é regulada por meio do ajuste do eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal, influenciado por alguns fatores, como ritmo circadiano, estresse e feedback negativo exercido pelo próprio hormônio glicocorticoide.

Para que serve prednisona?

A prednisona é indicada para o tratamento de doenças endócrinas, osteomusculares, reumáticas, dermatológicas, alérgicas, oftálmicas, respiratórias, hematológicas, neoplásicas, entre outras.


respiratorio

Outra função muito importante é na manutenção de órgãos transplantados, por sua ação imunossupressora, que faz com que o novo órgão não seja rejeitado.


Mecanismo de ação e farmacocinética

Com potente ação anti-inflamatória e imunossupressora, a prednisona inibe as manifestações precoces ¾ como rubor, dor e edema ¾ e tardias da inflamação.

Os glicocorticoides afetam todos os tipos de reação inflamatória, seja ela causada por patógenos invasores, por estímulos físicos e químicos ou por resposta imune inapropriada, como no caso de hipersensibilidade e doenças auto-imunes.

Considerada um pró-fármaco, sua absorção via oral é rápida e completa no trato gastrintestinal e liga-se às globulinas e a albumina sérica, em sua forma inativa. No fígado, é rapidamente convertida na sua forma ativa, a prednisolona.

O efeito máximo após administração oral ocorre de 1 a 2 horas e sua ação dura de 1,25 a 1,5 dias. Sua excreção é feita por via urinária em até 72 horas após a administração.


Apresentações disponíveis e posologia

A prednisona é encontrada em comprimidos de 5 mg e 20 mg, e tem como referência o Meticorten. Ela inclusive consta na Relação Nacional de Medicamentos (RENAME), estando disponível nos componentes básico e estratégico da farmácia do Sistema Único de Saúde (SUS).

A dosagem de prednisona depende da condição que está sendo tratada e da resposta do paciente ao tratamento. Após obtida resposta satisfatória, a dosagem deve ser diminuída gradualmente até chegar ao mínimo necessário para resposta clínica.

Para adultos, a dose inicial pode variar entre 5 mg e 60 mg, dependendo da doença tratada.

Em crianças, a dosagem deve ser baseada principalmente na gravidade da doença e na resposta do paciente, mais do que em critérios como idade, peso e superfície corporal.

No geral, a dose inicial varia entre 0,14 mg e 2 mg/kg/dia ou entre 4 mg e 60 mg por metro quadrado de superfície corporal por dia.


Efeitos colaterais

O uso de prednisona pode causar reações indesejadas como:

  • alterações hidroeletrolíticas (retenção de sódio, perda de potássio, aumento de pH, entre outros)
  • nos ossos e músculos (fraqueza, perda de massa muscular, miastenia gravis etc.)
  • no estômago e intestino (úlcera péptica, pancreatite, distensão abdominal etc.)
  • na pele (retardo na cicatrização, manchas vermelhas etc.)
  • no sistema nervoso (convulsões, aumento da pressão intracraniana etc.)
  • nas glândulas (supressão de crescimento fetal, irregularidade menstrual etc.)
  • nos olhos (aumento da pressão intraocular, glaucoma etc.)
  • no metabolismo (perda de proteína)
  • psiquiátricas (alterações de humor, euforia, depressão, insônia etc.)
  • e outras, como reações alérgicas.


Precauções e advertências

É necessário adotar algumas precauções durante o tratamento, para além dos efeitos colaterais e contraindicações, independentemente da duração do tratamento.

No período em que se estiver fazendo uso de prednisona não é recomendado o uso de álcool, pois seu efeito, somado ao dos glicocorticoides podem resultar no aumento da incidência e gravidade de úlceras gastrintestinais.

Medicamentos como fenobarbital, fenitoína, rifampicina e efedrina podem aumentar o metabolismo dos corticoides, reduzindo seus efeitos terapêuticos.

Já a coadministração com inibidores potentes da CYP3A4, como cetoconazol, pode aumentar o risco de efeitos colaterais sistêmicos.

O uso de prednisona por pacientes diabéticos pode ocasionar reajuste de dose dos hipoglicemiantes.

Portanto, não deixe de informar ao médico se você faz uso de algum medicamento contínuo.

medico 1


Uso durante a gravidez e amamentação

O uso de prednisona não é recomendado durante a gravidez e no período de amamentação, a não ser que o prescritor conclua que os benefícios superam os riscos. Esse medicamento pode passar para o leite materno.

Ganho de peso

Um medo recorrente dos pacientes que necessitam usar corticoides, como a prednisona, é o ganho de peso. Essa informação é parcialmente verdadeira, já que o ganho de peso ocorre de forma mais frequente naqueles que fazem uso contínuo do medicamento.

Isso porque, dependendo do tempo de uso, dose e via de administração, um dos seus efeitos colaterais é a retenção de sódio e água, o que resulta em edema. Além disso, o paciente pode ganhar peso, com acúmulo de gordura principalmente na região do tronco, na face e na região retrocervical.

Prednisona no tratamento da COVID-19

Evidências mostram benefícios no uso de corticoides, como a prednisona, no tratamento hospitalar de pacientes graves com COVID-19, como aqueles que necessitam de ventilação mecânica ou oxigênio suplementar.

Isso porque quando o paciente está infectado com o coronavírus ocorre uma tempestade de citocinas inflamatórias que sinalizam a presença do patógeno.

Desse modo, o papel do corticosteroide é diminuir a produção dessas citocinas, além de ajudar a controlar a fase inflamatória da doença, evitando danos pulmonares graves e danos em outros órgãos.


Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Memento Terapêutico. Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 302 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde). http://www2.far.fiocruz.br/farmanguinhos/images/stories/phocadownload/prednisona.pdf

Donatti, T. L., et al. Os glicocorticoides e seus efeitos no crescimento e na mineralização óssea. J. Pediatr. v. 87, n. 1, fev. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/jped/a/3fBVx64L6KkbdbPVkjryHjF/?lang=pt

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos.Relação Nacional de Medicamentos Essenciais Rename 2022 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília: Ministério da Saúde, 2022.  181 p. https://www.conass.org.br/wp-content/uploads/2022/01/RENAME-2022.pdf

Meticorten. [Bula]. São Paulo: Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Fernando C. Lemos.

Marina Goulart da Silva

Graduada em Farmácia e Mestre em Ciências da Saúde: Neurociências pela Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Pós-Graduada em Docência do Ensino Superior e Metodologias Ativas. Atua como pesquisadora estudando a efetividade de intervenções farmacológicas em transtornos psiquiátricos.

Também é professora do Ensino Superior.

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Marina Goulart da Silva

Marina Goulart da Silva

Graduada em Farmácia e Mestre em Ciências da Saúde: Neurociências pela Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Pós-Graduada em Docência do Ensino Superior e Metodologias Ativas. Atua como pesquisadora estudando a efetividade de intervenções farmacológicas em transtornos psiquiátricos.

Também é professora do Ensino Superior.

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail