Edema Ósseo – Osso inflamado – Aprenda mais

raio-x joelho edema osseo

EDEMA ósseo, também chamado de contusão óssea, caracteriza-se como um inchaço dentro do osso, ou seja, uma lesão traumática em um osso. É menos grave do que uma fratura óssea. Porém, apesar de o osso não estar realmente fraturado, o impacto é forte o suficiente para causar inflamação e até mesmo sangramento dentro do osso afetado. O osso fica vulnerável à uma fratura real.

O edema ósseo, ao longo do tempo, já recebeu várias classificações.

Em um artigo de revisão de 2004, publicado por Hofmann e colaboradores, os edemas ósseos identificados em ressonância magnética foram classificados em três grupos: isquêmico, mecânico e reativo. Os edemas isquêmicos envolvem osteonecrose e distrofia simpática reflexa. Os edemas mecânicos incluem sobrecarga, contusões e microfraturas. Os edemas reativos baseiam-se nas artrites infecciosas e neoplásicas.

SintomaDescrição
DorDor na área afetada, que pode variar de leve a intensa.
InchaçoInchaço e sensibilidade na área afetada.
VermelhidãoVermelhidão da pele ao redor da área afetada.
RigidezRigidez e dificuldade de movimentar a articulação, principalmente pela manhã.
Diminuição da amplitude de movimentoDiminuição da amplitude de movimento da articulação afetada.
FraquezaFraqueza na área afetada.

Em 2009, os edemas foram classificados em traumáticos e não-traumáticos. Em 2014, a classificação foi dividida em oito classes: trauma, inflamatório, degenerativo, vascular, infeccioso, iatrogênico, metabólico e neoplásico.

Já em 2016, a classificação por Kon e colaboradores envolveu duas formas distintas. A primeira em edemas traumáticos e não traumáticos. A segunda forma em edemas reversíveis e não reversíveis.


Causas do edema ósseo

edema osseo

Edemas ósseos geralmente são comuns e podem acontecer com qualquer pessoa de qualquer idade. Embora os edemas ósseos geralmente possam ocorrer devido a lesões na articulação do joelho, também estão relacionados a outras lesões ligamentares e luxações.

É normalmente a consequência de uma pancada imediata no osso, que pode acontecer durante uma queda, lesões esportivas, acidentes de carro, artrite, ou traumatismo no quadril.

CausaDescrição
TraumaTrauma contuso ou penetrante no osso, como fratura, luxação ou laceração.
InfecçãoInfecção do osso ou tecidos moles circundantes, como osteomielite, artrite séptica ou abscesso.
Distúrbios metabólicosDistúrbios metabólicos, como doença de Paget ou hiperparatireoidismo, que podem causar remodelação óssea.
Condições inflamatóriasCondições inflamatórias, como artrite reumatóide e gota, que podem causar erosão óssea.

Esportistas que praticam exercícios de alto impacto estão mais propensos a sofrer edemas ósseos, mas pode ocorrer ainda com pessoas que não utilizam equipamentos de proteção adequado, e quando a sua ocupação no trabalho é fisicamente exigente demais a ponto de colocá-lo em risco de sofrer edemas.


Sintomas do edema ósseo

edema osseo joelho
Agarwala, Sanjay, Lokesh Sharoff, and Naeem Jagani. “Effect of zoledronic acid and alendronate on bone edema and pain in spontaneous osteonecrosis of the knee: a new paradigm in the medical management.” Revista brasileira de ortopedia 55 (2020): 543-550.

Os sintomas de um edema ósseo podem incluir: sensibilidade e quadro muito doloroso na região afetada; rigidez; alteração de cor na superfície da pele onde o edema se encontra; proeminência nas articulações ao redor do osso afetado; e proeminência nos tecidos ao redor do osso afetado.

É importante destacar que, dependendo do local onde se encontra o edema, os sintomas podem ser bastante variáveis. Por exemplo, quando o edema ocorre no joelho, torna-se difícil andar e manter o equilíbrio, sentindo ainda uma rigidez ao dobrar essa área do corpo.

Quando o edema é no pé, obviamente ficar em pé é extremamente doloroso, sendo necessário utilizar muletas para aliviar o peso da área afetada. Edema no ombro acarreta em movimentação limitada nessa região, sendo possível ainda sentir fraqueza no ombro, dificultando atividades cotidianas como se vestir ou tomar banho.


Diagnóstico do edema ósseo

Os edemas ósseos são, em muitos casos, acompanhados por outros danos ao tecido envolvente. Como, em alguns casos, os edemas ósseos não aparecem nos raios-x, diagnosticá-los é um método novo. Antes das ressonâncias magnéticas, diagnosticar um edema ósseo sem verificar o dano era um desafio.

De qualquer forma, essas lesões ósseas são extremamente comuns e podem acontecer com qualquer pessoa em qualquer fase da vida. ‌‌

O médico especialista obterá algumas informações sobre seus sintomas e poderá solicitar informações sobre as ocasiões que levaram ao edema. O diagnóstico se baseia em exame físico e um raio-x. Caso o edema não apareça na radiografia, o médico provavelmente irá solicitar uma ressonância magnética para uma imagem mais detalhada do osso e do tecido envolvente.


Qual o tratamento para edema ósseo?

fisioterapia dor na patela tendinopatia

Basicamente, o paciente deve evitar cargas pesadas na área lesionada, reduzindo o impacto no osso ou na articulação afetada. O uso de muletas pode ser indicado.

Na fase aguda, o tratamento inclui crioterapia, elevação articular e anti-inflamatórios não esteróides para aliviar os sintomas. Não é necessário tratamento cirúrgico.

As cintas podem auxiliar no apoio e proteção da área afetada, ajudando também a limitar os movimentos.

A regressão do edema e o processo de cicatrização devem ser monitorados com ressonância magnética.

Na fase crônica, com manifestação da dor a longo prazo, pode ser recomendada a descompressão cirúrgica para ajudar a reduzir o aumento da pressão intramedular. Apesar de essa alternativa produzir resultados satisfatórios, também pode aumentar o risco de fratura e colapso em articulações que suportam peso.


A recuperação é demorada?

Os edemas ósseos são lesões que podem cicatrizar espontaneamente, porém o período de cura varia bastante, isso porque as avaliações em ressonância magnética, algumas vezes, não correlacionam com o diagnóstico clínico do paciente. Por esse motivo, pacientes com edemas ósseos podem levar mais tempo para tratar os sintomas, recuperar a condição normal da articulação e retornar ao estado normal sem quadro doloroso.

Geralmente, a recuperação de edemas ósseos leva de 6 a 12 semanas. Isso quando as lesões estão relacionadas com o tratamento não cirúrgico.

Em um estudo realizado por Pinar e colaboradores para a revista Knee Surgery, Sports Traumatology and Arthroscopy, os autores relataram que a maioria dos edemas ósseos cicatrizou em 6 a 8 semanas em alguns pacientes analisados.

Apenas um paciente apresentou edemas ósseos por aproximadamente 7 meses. Outro estudo experimental publicado no periódico American Journal of Roentgenology, destacou que os edemas ósseos no tornozelo levam mais tempo para recuperar do que os edemas no joelho. A articulação do tornozelo e os mecanismos traumáticos podem ser fatores que contribuem para o tempo prolongado de recuperação nessa região.


Dicas para manter seus ossos saudáveis e fortalecidos

Seu estilo de vida pode ajudá-lo a evitar problemas ósseos e manter seus ossos fortes e saudáveis.

Tenha uma dieta balanceada com os nutrientes e minerais necessários. Verifique seus níveis de cálcio e vitamina D. O cálcio proporciona uma boa saúde óssea, então consuma na quantidade diária apropriada. A vitamina D ajuda a absorver o cálcio. Você pode obter através dos alimentos e principalmente através da exposição solar nos horários adequados.

Pratique atividades físicas regularmente, pois exercícios físicos são bons para a saúde óssea.

Não fume, pois fumar enfraquece os ossos. O mesmo serve para o álcool. Se você bebe, tente reduzir o consumo, pois isso também enfraquece os seus ossos.


Recomendações

Se você sofrer um edema ósseo, não ignore o inchaço e a dor. Procure um especialista em ortopedia para o tratamento adequado e necessário.


REFERÊNCIAS

BONADIO, M. B. Tratamento das lesões de edema medular ósseo do joelho pela técnica de subcondroplastia. 2019. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

KEMAL, S.; KAYAOKAY, K. Natural History of Bone Bruise. In: DORAL, M. N. et al. (ed.) Intraarticular Fractures. Switzerland: Springer, 2019. p. 3-10.

HOFMANN, S. et al. Painful bone marrow edema of the knee: differential diagnosis and therapeutic concepts. The Orthopedic Clinics of North America, v. 35, n. 3, p. 321-333. 2004.

KON, E. et al. Bone marrow lesions and subchondral bone pathology of the knee. Knee Surgery, Sports Traumatology and Arthroscopy, v. 24, n. 6, p. 1797-1814. 2016.

PINAR, H. et al. Bone bruises detected by magnetic resonance imaging following lateral ankle sprains. Knee Surgery, Sports Traumatology and Arthroscopy, v. 5, n. 2, p. 113-117. 1997.

SIJBRANDIJ, E. S. et al. Posttraumatic subchrondral bone contusions and fractures of the talotibial joint occurrence of “kissing” lesions. American Journal of Roentgenology, v. 175, n. 6, p. 1707-1710. 2000.

Dr. Carlos Roberto Babá

CRM-SP 47825 / RQE 12910, 19925.

Médico especialista em Ortopedia, Traumatologia e Acupuntura.

Médico Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

Membro Titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia (SBOT).

Atuação na Área Clínica e de Ensino Médico.

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dr. Carlos Roberto Babá

Dr. Carlos Roberto Babá

CRM-SP 47825 / RQE 12910, 19925.

Médico especialista em Ortopedia, Traumatologia e Acupuntura.

Médico Colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

Membro Titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia (SBOT).

Atuação na Área Clínica e de Ensino Médico.

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

Como evitar queloides

Como evitar queloides?

Queloides são crescimentos dérmicos benignos que surgem através da cicatrização anormal de feridas em resposta a traumas ou inflamações anteriores da pele.  O desenvolvimento de

Continue Lendo
Pupila Dilatada

O que é Pupila Dilatada? Entenda!

A pupila, uma estrutura de grande importância em nosso sistema visual, apresenta complexidade em sua constituição. Seu tamanho varia em resposta a três categorias distintas

Continue Lendo
categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail