Citalopram: Para Que Serve?

O bromidrato de citalopram foi produzido na Europa, mais especificamente na Dinamarca, desenvolvido pelo laboratório Lundbeck e conhecido comercialmente por Cipramil®.

Foi criado para competir com a fluoxetina, medicamento que teve sucesso nos Estados Unidos, e o citalopram veio com uma proposta melhor, apresentar menos efeitos colaterais que a fluoxetina.

Citalopram é um antidepressivo inibidor seletivo da recaptação de serotonina (ISRS), pertencente a classe que está no mercado desde o final da década de 1980 e é a mais prescrita até hoje. É uma droga relativamente nova, porém muito segura mesmo que em doses elevadas, bem tolerada pelos pacientes e com efeitos colaterais leves.

O princípio ativo, bromidrato de citalopram, é comercialmente encontrado como medicamento de referência Cipramil® (laboratório Lundbeck) e Procimax® (laboratório Libbs), e medicamentos similares Città® (laboratório Eurofarma), Alcytam® (laboratório Torrent), Denyl® (laboratório Cristália), Zoxipan® (laboratório Medley) e os medicamentos genéricos assinalados com G.


Como age no corpo?

O citalopram concentra sua ação na recaptação de serotonina, por possuir pouca afinidade com os demais neurotransmissores (dopamina e norepinefrina) e consequentemente provoca menos efeitos colaterais.

A serotonina é um neurotransmissor e uma substância relacionada a comunicação dos neurônios em associação à regulação do humor, emoções e apetite.

Este neurotransmissor é produzido e armazenado no intestino, quando o cérebro precisa desta serotonina o intestino envia para o cérebro, que por sua vez utiliza em média 1% devolvendo o restante para o intestino.

O que o citalopram faz é evitar devolver a serotonina não utilizada para o intestino, fazendo com que o neurotransmissor permaneça disponível por mais tempo, causando melhora no humor dos pacientes.

EtapaMecanismo
1Citalopram é um inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS) que funciona bloqueando a recaptação da serotonina e aumentando os níveis de serotonina no cérebro.
2Também aumenta os níveis de outros neurotransmissores, como dopamina e norepinefrina, que ajudam a regular o humor.
3Os níveis aumentados de serotonina e outros neurotransmissores podem ajudar a melhorar o humor e reduzir os sintomas de depressão.
4Citalopram também tem efeitos ansiolíticos, que podem ajudar a reduzir os sintomas de ansiedade e transtornos de pânico.


Para que o citalopram é indicado?

panico

As principais indicações do citalopram são transtorno obsessivo compulsivo (TOC), transtorno de ansiedade generalizada (TAG), agorafobia, síndrome do pânico, quadros depressivos, indicado também em tratamentos de longo prazo para prevenir recorrência de quadros depressivos em pacientes que apresentam depressão recorrente.

Existem algumas indicações do citalopram que são off label, ou seja, que não estão prescritas em bula, mas que com estudos de caso foi observado benefícios para os pacientes em tratamento de alcoolismo, pois auxilia no controle dos sintomas de abstinência.

Além disso, é benéfico para pacientes na menopausa, que apresentam as ondas de calor, transtorno disfórico pré-menstrual, narcolepsia (excesso de sono), depressão pós-parto, compulsão alimentar, comportamentos agressivos, impulsivos.

IndicaçãoDescrição
DepressãoCitalopram é aprovado pelo FDA para tratar transtorno depressivo maior em adultos.
Transtornos de ansiedadeCitalopram também é aprovado para tratar transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e transtorno do pânico em adultos.
Transtorno Obsessivo-CompulsivoCitalopram também é aprovado para tratar transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) em adultos.
Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)Citalopram é aprovado para tratar estresse pós-traumático em adultos.
Transtorno de ansiedade socialCitalopram é aprovado para tratar transtorno de ansiedade social em adultos.

Vale lembrar que o efeito benéfico do medicamento, aparece cerca de duas semanas de uso.


Quais são os Efeitos Colaterais?

Apesar de provocar menos efeitos colaterais, o citalopram como qualquer medicação, pode apresentam efeitos adversos em alguns pacientes logo nas primeiras semanas do tratamento, e tendem a diminuir ou sumir após média de 30 dias.

Os efeitos colaterais podem variar de paciente para paciente, sendo abordado aqui os efeitos de maior frequência tais como: náusea, vômito, insônia, sonolência, boca seca, diminuição do apetite e consequente perda de peso no início do tratamento, diminuição da libido, agitação, nervosismo, aumento da sudorese, arritmia.

Efeitos colaterais comunsEfeitos colaterais raros
Dor de cabeçaConfusão
Boca secaReações cutâneas graves
NáuseaAlucinações
SonolênciaEpisódios maníacos
SonolênciaTremores
Mudanças de pesoPensamentos suicidas
Dificuldades sexuaisPalpitações cardíacas
SuandoHepatite


Cuidados ao iniciar o tratamento

Como qualquer antidepressivo, citalopram requer alguns cuidados e é importante informar seu médico sobre seu histórico de saúde para que possa alcançar bons resultados no tratamento. Informe seu psiquiatra caso tem ou teve problemas como:

  • Baixa frequência cardíaca em repouso ou até mesmo batimentos cardíacos rápidos, ou irregulares, pois com o uso do medicamento pode causar arritmias;
  • Glaucoma;
  • Funcionamento de fígado e rins comprometidos;
  • Diabetes;
  • Tremor ou epilepsia.


Interações medicamentosas do citalopram

É necessário estar atento às interações químicas que o citalopram pode ter com outros medicamentos, pois podem causar sérios danos à saúde.

Informe seu médico sobre as medicações que está utilizando ou que faz uso contínuo, a fim de evitar estas interações medicamentosas.

Citalopram deve ser evitado, suspenso ou administrado sob acompanhamento médico com os seguintes fármacos: linezolida, imipramina e desipramina, metoprolol, tramadol, bupropiona, alguns antimicrobianos, alguns anti-histamínicos, erva de São João (Hypericum perforatum), carbonato de lítio e triptofano, inibidores não seletivos da monoaminoxidase (IMAO), medicamentos que alteram a função plaquetária, antipsicóticos, neurolépticos, antiarrítmicos das classes IA e III.


Dosagem/ Duração tratamento

É um comprimido revestido de 20 mg na forma de dose oral. A dosagem varia de 10 a 40 mg a depender da resposta individual e da gravidade do quadro depressivo do paciente.

É recomendado que na primeira semana seja utilizada a dose de 10 mg antes de aumentar para 20 mg por dia, a fim de observar a resposta do paciente, e caso necessário aumentar até no máximo 40 mg por dia.

Dosagem de citalopramDose usual para adultos
Depressão20 mg por via oral uma vez ao dia
Transtorno Obsessivo Compulsivo20 mg por via oral uma vez ao dia
Transtorno do Pânico10 a 60 mg por via oral uma vez ao dia
Transtorno de ansiedade social20 a 60 mg por via oral uma vez ao dia


Diferença: Citalopram X Escitalopram

Ambos são classificados no mesmo grupo, inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) e são utilizados no tratamento da depressão e transtorno de ansiedade. O que difere os dois medicamentos é uma modificação na estrutura química.

O bromidrato de citalopram é absorvido e metabolizado no fígado e se transforma no oxalato de escitalopram, o que os cientistas fizeram foi isolar o escitalopram em laboratório, ou seja, o escitalopram é um derivado do citalopram.

A proposta é agir com maior rapidez, devido ao tempo de meia-vida do escitalopram (tempo para cair na concentração sanguínea) em relação ao citalopram ser menor, e como consequência há uma redução nos efeitos colaterais.


Dependência química/ Desmame

O citalopram não causa síndrome de abstinência e tolerância, ou seja, necessidade de usar doses cada vez maiores. Porém, causa síndrome de retirada ou também chamada síndrome de descontinuação, que condiz em cumprir com o tratamento e realizar o processo de desmame da medicação.

Portanto, na descontinuação do tratamento é necessário que a retirada seja feita de forma gradual da posologia em um período médio de dez a quinze dias, com o objetivo de evitar sintomas de descontinuação, como: tremor, tontura, enjoo, náusea, palpitação.

Lembrando que estes sintomas não são indicativos de dependência a medicação, é apenas um processo de desmame.

EtapaDescrição
1Fale com seu médico antes de parar. Nunca pare de tomar citalopram sem a aprovação do seu médico.
2Siga as instruções do seu médico para diminuir o citalopram. Seu médico provavelmente recomendará uma redução gradual da dosagem ao longo de várias semanas.
3Esteja ciente dos possíveis sintomas de abstinência ao parar o citalopram. Isso pode incluir aumento da ansiedade, tontura, náusea e dores de cabeça.
4Informe o seu médico sobre quaisquer sintomas de abstinência que você sentir ao parar o citalopram. Seu médico pode aconselhá-lo a continuar tomando o medicamento ou ajustar a dose.

E é importante deixar claro que você nunca deve utilizar nenhuma medicação sem a devida prescrição médica, uma vez que isso pode acarretar sérios prejuízos para sua saúde.

Estes medicamentos são vendidos somente sob prescrição médica, ou seja, venda com retenção de receita C1 Branca em duas vias.


Perguntas frequentes sobre Citalopram

O que é Citalopram?

Citalopram é um medicamento antidepressivo que pertence a uma classe de medicamentos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs). Funciona aumentando a quantidade de serotonina, uma substância natural do cérebro, que ajuda a melhorar o humor.

Quais são os efeitos colaterais do citalopram?

Os efeitos colaterais comuns do citalopram incluem: náusea, boca seca, sonolência, insônia, aumento da sudorese, diminuição do apetite, diarréia e visão turva. Efeitos colaterais menos comuns incluem: alterações no desejo ou desempenho sexual, dificuldade para urinar e dores musculares ou articulares.

Quanto tempo leva para o Citalopram fazer efeito?

Geralmente leva de 1 a 4 semanas para o Citalopram começar a fazer efeito. No entanto, pode levar até 6 semanas para que todos os benefícios do medicamento sejam percebidos.

Citalopram causa dependência?

O citalopram não é conhecido por causar dependência. No entanto, algumas pessoas podem se tornar fisicamente ou psicologicamente dependentes dele, por isso é importante seguir o conselho do seu médico ao tomar este medicamento.

Posso beber álcool enquanto estiver tomando Citalopram?

Não é recomendado beber álcool durante o tratamento com citalopram, pois pode aumentar o risco de efeitos colaterais. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver alguma dúvida ou preocupação.

Priscila Beraldo

CRF PR 24-980
Farmacêutica Bioquímica.
Profissional com 10 anos de mercado, graduada em Farmácia Bioquímica, pós graduada em Gestão da Qualidade e Regularização de Produtos perante Anvisa, atuando nas áreas de planejamento, implementação de Sistema de Gestão da Qualidade, gerenciamento de processos, responsável técnica, representando empresas perante os órgãos sanitários e regulatórios.
Experiência na área de assuntos regulatórios (registro e pós-registro), com forte atuação em medicamentos e produtos para saúde. Consultora na abertura de empresas no âmbito da saúde, treinamentos com relação ao cuidado à saúde, nos âmbitos individual e coletivo bem como educação em saúde.

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Priscila Beraldo

Priscila Beraldo

CRF PR 24-980
Farmacêutica Bioquímica.
Profissional com 10 anos de mercado, graduada em Farmácia Bioquímica, pós graduada em Gestão da Qualidade e Regularização de Produtos perante Anvisa, atuando nas áreas de planejamento, implementação de Sistema de Gestão da Qualidade, gerenciamento de processos, responsável técnica, representando empresas perante os órgãos sanitários e regulatórios.
Experiência na área de assuntos regulatórios (registro e pós-registro), com forte atuação em medicamentos e produtos para saúde. Consultora na abertura de empresas no âmbito da saúde, treinamentos com relação ao cuidado à saúde, nos âmbitos individual e coletivo bem como educação em saúde.

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail