Espinha Interna – Virou um caroço duro? O que fazer?

tratamento-acne

Espinhas internas, também conhecidas como nódulos císticos, são um problema comum e doloroso para muitas pessoas, especialmente durante a adolescência e períodos de desequilíbrio hormonal.

Neste artigo, vamos explorar as causas das espinhas internas e como tratá-las corretamente para evitar inflamações, manchas e infecções na pele.

Entendendo a Acne Cística Interna

A acne cística interna é um tipo de acne caracterizada por protuberâncias profundas, dolorosas e inflamadas sob a pele que são difíceis de tratar e geralmente demoram muito tempo para curar. Comparada a outros tipos de acne, a acne cística é mais desafiadora de gerenciar devido à sua natureza profunda e a vários fatores subjacentes.

Causas da Acne Cística

alimentacao saudavel rica em fibras

As espinhas internas são classificadas como acne grau 3 e são mais difíceis de eliminar devido à sua localização nas camadas mais profundas da pele. Geralmente, elas ocorrem devido a desequilíbrios hormonais, estresse, picos de cortisol e ansiedade.

Além disso, rotinas inadequadas de cuidados com a pele e consumo excessivo de alimentos industrializados ricos em açúcares também podem contribuir para o aparecimento dessas espinhas.

  1. Flutuações hormonais: A acne cística pode ser desencadeada por mudanças hormonais, especialmente em mulheres. Observe se a sua acne cística aparece em torno do seu ciclo menstrual ou em certos momentos do mês. Se você perceber um padrão, pode ser acne hormonal.
  2. Dieta e nutrição: Sua dieta diária desempenha um papel significativo na saúde da pele. Consumir alimentos ricos em açúcar, gorduras não saudáveis ou com baixo valor nutricional pode contribuir para a inflamação e agravar a acne cística. Preste atenção à sua dieta e considere adotar um plano de refeições mais equilibrado e rico em nutrientes.
  3. Genética: A acne cística também pode ser hereditária. Se os membros da sua família têm histórico de acne, é possível que sua acne cística seja resultado de predisposição genética.

Formação das Espinhas Internas

As espinhas internas se formam quando as glândulas sebáceas ficam obstruídas devido à produção excessiva de sebo, uma substância oleosa que hidrata e protege a pele.

Fatores como maquiagem inadequada, falta de renovação celular e uso inadequado de protetor solar podem aumentar o risco de obstrução dos poros e, consequentemente, a formação de nódulos inflamatórios.

Buscando Ajuda Profissional

Se você acredita que já está cuidando bem da sua pele, mantendo o equilíbrio hormonal e se alimentando bem, é essencial consultar um dermatologista, ginecologista ou endocrinologista para uma investigação mais aprofundada.

Eles podem ajudar a determinar a causa raiz da sua acne cística e sugerir as opções de tratamento mais adequadas, que podem incluir antibióticos ou isotretinoína (conhecida popularmente como Roacutan).

Por Que Tratamentos Tópicos Podem Não Funcionar

Os tratamentos tópicos para acne geralmente não alcançam as camadas mais profundas da pele onde a acne cística reside.

Além disso, o uso excessivo desses produtos pode comprometer a barreira protetora da sua pele, levando ao ressecamento, desidratação e ao potencial para mais crises de acne. Por isso, é importante tratar a acne cística de dentro para fora e sob a orientação de um profissional médico.

Tratamento das espinhas internas

peeling de diamante
  1. Rotina de cuidados com a pele: Mantenha a pele limpa e hidratada usando produtos adequados ao seu tipo de pele. Utilize um gel de limpeza e um sérum facial anti-acne para controlar o excesso de oleosidade e reduzir a inflamação.
  2. Compressas: Para aliviar a dor e o inchaço, aplique compressas mornas ou frias no local afetado. A água morna ajudará a relaxar os poros e reduzir a presença de pus, enquanto o gelo diminuirá o fluxo sanguíneo, reduzindo a vermelhidão e o inchaço.
  3. Medicamentos e pomadas: Utilize medicamentos e pomadas prescritos por profissionais para desinflamar a espinha interna. Lembre-se de não manipular a espinha, pois isso pode agravar a situação e causar infecções ou manchas na pele.
  4. Suplementação: A suplementação com nicotinamida, zinco e selênio pode ajudar a controlar o processo inflamatório e reduzir a incidência de acne.
  5. Protetor solar: O uso diário de protetor solar é essencial para proteger a pele e evitar o agravamento das espinhas internas e manchas na pele.

Mantendo a Pele Saudável

Embora os tratamentos tópicos por si só possam não resolver a acne cística, manter uma rotina saudável de cuidados com a pele ainda é essencial. Foque na limpeza, hidratação e proteção solar para manter sua barreira protetora da pele forte e saudável. Isso ajudará a melhorar a saúde geral da sua pele e prevenir futuras inflamações.

Conclusão

A acne cística interna pode ser uma condição frustrante e dolorosa, mas entendendo suas causas e trabalhando com um médico especializado, você pode encontrar o caminho certo para o tratamento. Preste atenção aos seus padrões hormonais, sua dieta e histórico familiar, e não hesite em procurar aconselhamento médico para tratamentos eficazes.

Lembre-se de que cada caso de acne cística é único, e o que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra. Portanto, é essencial ser paciente e persistente na busca do tratamento certo, seguindo sempre as recomendações médicas e mantendo uma rotina de cuidados com a pele adequada.

Se você tiver dúvidas adicionais ou quiser compartilhar suas experiências, deixe um comentário abaixo. Estamos sempre prontos para ouvir e ajudar você em sua jornada para uma pele mais saudável.

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521.
Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP).
Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).
Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dra. Juliana Toma

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521.
Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP).
Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).
Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail