Quais pintas representam perigo a saúde?

avaliacao pele dermatoscopia dermatologista

A maioria das pessoas apresenta uma grande quantidade de pintas no corpo. Em média, uma pessoa pode ter cerca de 30, mas alguns indivíduos podem chegar até 400 pintas variadas pelo corpo. E o fato de achar que pintas grandes ou estranhas são perigosas é cultural.

Mas nem sempre é um fato.

As pintas são definidas como saliências na pele onde há acúmulo de pigmento chamado melanina. A razão para essa superprodução de pigmento ainda é desconhecida, assim como qual seria a função das pintinhas pelo corpo.

O que se sabe é que esses pontinhos podem surgir logo na infância e, com o passar dos anos, elas podem aumentar, principalmente se forem expostas ao sol ou devido a fatores genéticos.

Quando perigosas, as pintas representam sinais de câncer de pele. No Brasil, o câncer de pele é muito comum, apresentando mais casos no País do que outros 17 tipos de tumores.

O INCA (Instituto Nacional do Câncer) estima que cerca de 6.200 casos de melanoma sejam diagnosticados a cada ano (2.900 em homens e o restante em mulheres), sendo que a doença provoca aproximadamente 1.500 mortes.

Como algumas dessas pintas podem realmente representar um perigo à nossa saúde, explicamos abaixo o que ela são, quais os fatores de risco e como cuidar delas.


Tipos de pintas

pinta na pele

Há dois tipos de pintas, ou nevos (termo técnico utilizado pelos dermatologistas): as pintas congênitas e as pintas adquiridas. As pintas congênitas são aquelas que já nascem em nosso corpo e as adquiridas são as que surgem ao longo da vida.

Enquanto os nevos congênitos surgem devido a fatores exclusivamente genéticos, os nevos adquiridos possuem um “facilitador genético” e o seu número aumenta com o grau de exposição solar principalmente durante a infância e adolescência.

É nessa fase da vida que surgem a maioria das nossas pintas, embora elas continuem a aparecer até os 40 anos.

Um fato curioso é que algumas de nossas pintas podem desaparecer com os anos.


Pontos de atenção com as pintas – Regra ABCDE

Infografico_cancer de pele melanoma

As pintas devem ser monitoradas de perto para avaliar se elas mudarem de cor, de tamanho ou de textura.

Ou ainda se começarem a sangrar, ou coçar.

Existe uma regra chamada de ABCDE que pode ser utilizada para identificar anomalias na pinta por nós mesmos.

Se algum desses fatores apresentar alteração, é altamente recomendável que procure um médico para o diagnóstico apropriado.

A regra do ABCDE funciona da seguinte forma:

  • Assimetria: uma pinta normal tem formato arredondado. Fique atento se houver alteração nesse aspecto.
  • Borda: a borda de uma pinta normal não apresenta irregularidades, como saliências ou reentrâncias.
  • Cor: geralmente, pintas que representam um perigo a nossa saúde são compostas por mais de uma cor e misturam o branco, preto, vermelho ou tons de marrom.
  • Diâmetro: pintas com alteração costumam apresentam diâmetro maior que 5mm.
  • Evolução: fique atento a alterações que ocorreram na pinta em um curto período de tempo, seja no seu tamanho, forma, espessura ou cor.

Além disso, é importante mencionar que pessoas que apresentam muitas pintas pelo corpo têm mais chances de desenvolver câncer de pele.

Estima-se que pessoas com mais de 100 pintas possuem um risco 6 vezes maior de desenvolver um câncer melanoma do que uma pessoa que não possui tantas pintas pelo corpo.

Pessoas de pele mais clara também tendem a apresentar maiores chances de desenvolverem problemas de pele devido às pintas. Pessoas que moram em locais com alta radiação solar ou quem se expõe com frequência e longamente aos raios ultravioleta, também aumentam o risco de desenvolver câncer de pele.

Outro ponto de atenção é que toda pinta pode se transformar em melanoma, embora isso não seja comum. O que mais corre é uma pinta nova surgir e ser um melanoma.

E, geralmente, as pintas que são mais perigosas surgem em partes do corpo que ficaram expostas por um longo período aos raios ultravioletas, como a nuca, rosto, antebraço, costas da mão e a canela.


Diagnóstico para pintas que representam perigo

exame melanoma

A melhor forma de ter um diagnóstico correto é conhecer o próprio corpo. Pois, somente assim você será capaz de informar ao médico se aquela pinta é recente ou se sofreu alterações passadas.

Fazer o autoexame de pintas e manchas é fundamental para identificar os primeiros sinais dos diferentes tipos de câncer, por exemplo.

No entanto, para pessoas que apresentam muitas pintas ou possuem histórico familiar de câncer de pele, recomenda-se que a visita ao dermatologista seja anual.

Além da regra ABCDE que pode ser feito pelo próprio paciente para avaliar a aparência das pintas, o dermatologista pode utilizar do exame de dermatoscopia.


Como prevenir o aparecimento de pintas suspeitas?

pintas na pele perigo

A prevenção é a melhor forma de ter problemas futuros com as pintas. Portanto, o principal cuidado que devemos ter é cuidar da nossa exposição ao sol. Isso pode ser feito com o uso de protetor solar com proteção pelo menos FPS 30 e sem se esquecer de orelhas e lábios.

Além disso, é fundamental usar chapéus, óculos, camisetas de manga longa, camisetas com proteção UV, e evitar se expor ao sol entre as 10h e 16h. Essas atitudes são bastante eficientes para prevenir problemas de pele.


Tipos de câncer de pele

Existem dois tipos principais desse câncer: o não melanoma e o melanoma. Esses tipos se diferenciam pelo tipo de célula atingido, pela taxa de ocorrência e pelo nível de agressividade.

O câncer de pele melanoma é o mais frequente, correspondendo a 97% dos tumores malignos encontrados na pele. No entanto, apresenta mais letalidade. Pacientes que apresentam esse tipo de câncer podem apresentar deformações, principalmente nas regiões atingidas como pescoço, orelha e no rosto.

Já o câncer de pele melanoma é muito mais raro, sendo diagnosticado em 3% dos casos. No entanto, ele é mais agressivo e fatal. Isso ocorre porque este câncer tem um alto risco de metástase (espalhamento para outros órgãos) e não responde bem ao tratamento. Este tipo de tumor pode aparecer em qualquer parte da pele, inclusive nas membranas mucosas e nos olhos.

Por isso, fique sempre atento aos sinais do seu corpo e sempre se consulte periodicamente com um dermatologista para um check up. A prevenção é fundamental para manter uma pele saudável.

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521.
Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP).
Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).
Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dra. Juliana Toma

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521.
Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP).
Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).
Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail