Melasma: Opções de tratamento

O melasma é um distúrbio comum, crônico e adquirido de pigmentação apresentando-se com máculas no rosto de coloração marrom-claro e escuro máculas.

Homens e mulheres em todas as raças subgrupos podem ser afetados. A morbidade significativa de melasma e seu impacto negativo na qualidade de vida é bem documentado.

Apesar disso, a escassez de inovação para o melasma tem sido uma fonte de frustração tanto para pacientes quanto para médicos.

A hidroquinona foi o padrão ouro para o tratamento do melasma durante muitas décadas, mas nos últimos anos, o ácido tranexâmico oral (TXA), com sua eficácia demonstrada e raridade de efeitos, começou a surgir como o possível novo ouro terapia padrão para melasma.

O melasma, causa comum de procura por atendimento dermatológico, é uma condição crônica de hiperpigmentação da pele.

Com uma patogênese pouco compreendida e sem cura universal, o melasma é um desafio para muitos dermatologistas.

Por décadas, tem havido investigação sobre o papel do estresse oxidativo no melasma. Numerosos estudos mostraram a eficácia de várias terapias antioxidantes para o tratamento da hiperpigmentação.

Vitamina E, niacinamida, polypodium leucotomos, picnogenol, extrato de semente de uva, aminoácidos de frutas, ácido fítico, zinco, silimarina, pó de ginseng vermelho coreano, extratos de plantas e salsa têm evidências bem demonstradas de propriedades antioxidantes, e essas substâncias foram estudado no contexto da hiperpigmentação da pele.

Embora haja evidências conflitantes de sua eficácia terapêutica, o uso dessas substâncias naturais é promissor para pacientes e profissionais de saúde que buscam opções terapêuticas alternativas.

Fisiopatologia do melasma

A etiologia exata do melasma é desconhecida, mas é considerado complexo e multifatorial envolvendo influências ambientais e genéticas.

Gatilhos comuns conhecidos e fatores de exacerbação incluem gravidez, terapia hormonal, radiação ultravioleta (UV) e, naqueles com pele ricamente pigmentada, luz.

Aumento do número de mastócitos e fator de crescimento endotelial foi demonstrado em pele lesional daqueles com melasma.

Kang e colegas encontraram melanina em toda as camadas da epiderme e um aumento na intensidade e no número de melanócitos epidérmicos e melanófagos dérmicos na pele afetada pelo melasma.

A presença de elastose solar na pele lesionada indicou dano UV, e a aumento de organelas intracelulares, como mitocôndrias, dentro dos melanócitos lesionais sugerem maior atividade em comparação com a pele normal.

Além disso, Noh e colegas estudaram as características inflamatórias do melasma na pele asiática e relataram mais melanófagos, mastócitos e leucócitos na pele lesionada.

Eliminação de fatores causais e fotoproteção é fundamental em todos os pacientes.

Diagnóstico

O melasma apresenta-se como máculas ou manchas marrons bilaterais nas bochechas malar, testa, lábio superior e/ou mandíbula mais comumente em um padrão centrofacial.

Histologicamente, o melasma é caracterizado pelo aumento da melanina na epiderme e/ou derme. O exame clínico com lâmpada de Wood pode auxiliar no diagnóstico.

Infelizmente, o curso clínico do melasma é muitas vezes prolongado e resistente ao tratamento, e o melasma geralmente retorna após a descontinuação do tratamento ou com maior exposição ao sol.

Tratamento de melasma

peeling 1

O padrão ouro atual nos Estados Unidos para o tratamento do melasma é hidroquinona. Um estudo anterior demonstrou a depuração do melasma com hidroquinona isolada em aproximadamente 40% dos pacientes.

No entanto, os efeitos associados ao uso de hidroquinona incluem dermatite irritante, dermatite alérgica de contato, hiperpigmentação pós-inflamatória, clareamento das unhas e ocronose exógena (uma rara mas permanente descoloração cinzenta da pele), fazendo hidroquinona alternativas muito procuradas.

Os tratamentos atuais incluem agentes tópicos e sistêmicos, bem como peelings químicos e terapias à base de laser e luz.

A melhora das lesões existentes e a prevenção da recorrência devem ser objetivos do tratamento. As terapias tópicas incluem agentes despigmentantes, retinóides, corticosteróides, Proteção contra luz UV, ácido tranexâmico (TXA) e cremes combinados.


Peelings químicos para melasma

Os peelings químicos comumente usados ​​incluem ácido glicólico (GA), ácido salicílico (SA) e tricloroacético ácido (TCA). As terapias à base de laser e luz incluem intensa luz pulsada (IPL), ítrio dopado com neodímio Q-switched laser de granada de alumínio (QS-Nd:YAG), laser de corante pulsado (PDL), laser fracionado, entre outros.


Novos medicamentos sistêmicos

Novos medicamentos sistêmicos incluem TXA e suplementos à base de plantas. Há também inúmeros agentes tópicos à base de plantas e terapias comercializadas de clareamento da pele disponíveis que carecem de evidências científicas de eficácia com design de estudo rigoroso.

O melasma é uma condição crônica adquirida associada a efeitos sociais e psicológicos negativos. Apesar de vários modalidades de tratamento disponíveis, hidroquinona tópica sozinha ou associado a um retinóide e um corticosteróide é o agente mais estudado e continua sendo a modalidade de tratamento mais eficaz.


Protetores solares para melasma

É importante ressaltar que os protetores solares são essenciais no tratamento do melasma. Recentemente, o uso de TXA oral tem foi relatado como um tratamento adjuvante útil em indivíduos com melasma moderado a grave ou recalcitrante, e está associado a poucos efeitos adversos.

Peelings químicos e terapias à base de laser e luz têm resultados mistos e médicos deve estar ciente do risco de efeitos adversos, principalmente em sujeitos de pele escura.

Uma compreensão mais ampla do melasma através de mais pesquisas, potencialmente nos dará novos e terapias melhoradas no futuro.

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521.
Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP).
Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).
Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Dra. Juliana Toma

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521.
Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP).
Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).
Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail