Conheça sete hábitos saudáveis para diminuir o risco de demência em pessoas com risco genético

idosos 2

Sete hábitos saudáveis, associados ao estilo de vida, podem desempenhar um papel determinante na redução do risco de demência em pessoas que apresentam risco genético. É o  que aponta uma nova pesquisa publicada em maio de 2022 pela revista da Academia Americana de Neurologia.

São esses os hábitos saudáveis identificados pelo estudo: ser ativo, comer melhor, perder peso, não fumar, manter uma pressão arterial saudável, controlar o colesterol e reduzir o açúcar no sangue.

“A boa notícia é que, mesmo para as pessoas com maior risco genético, viver com esse estilo de vida mais saudável provavelmente terá um risco menor de demência”, afirma a autora do estudo Adrienne Tin, PhD da Universidade do Mississippi, no Centro Médico em Jackson.

O estudo analisou 8.823 pessoas com ascendência europeia e 2.738 pessoas com ascendência africana que foram acompanhadas por 30 anos. No início do estudo, as pessoas tinham uma idade média de 54 anos.

Os participantes do estudo mediram índices relativo aos sete fatores de saúde. A pontuação total variou de 0 a 14, com 0 representando a pontuação mais insalubre e 14 representando a pontuação mais saudável. A pontuação média entre os de ascendência europeia foi de 8,3 e a pontuação média entre os de ascendência africana foi de 6,6.

Os pesquisadores calcularam as pontuações de risco genético no início do estudo, usando estatísticas do genoma da doença de Alzheimer, que foram usadas para estudar o risco genético de demência.

idosos

Os participantes com ascendência europeia foram divididos em cinco grupos e aqueles com ascendência africana foram divididos em três grupos com base nos escores de risco genético. O grupo com maior risco genético incluiu pessoas que tinham pelo menos uma cópia da variante do gene APOE associada à doença de Alzheimer, o APOE e4. Daqueles com ascendência europeia, 27,9% tinham a variante APOE e4, enquanto dos que tinham ascendência africana, 40,4% tinham a variante APOE e4. O grupo com menor risco apresentou a variante APOE e2, que tem sido associada a um risco diminuído de demência. No final do estudo, 1.603 pessoas com ascendência europeia desenvolveram demência e 631 pessoas com ascendência africana desenvolveram demência.

Dentre o grupo de pessoas com ascendência europeia, os pesquisadores descobriram que as pessoas com as pontuações mais altas nos fatores de estilo de vida tinham um risco menor de demência em todos os cinco grupos de risco genético, incluindo o grupo com maior risco genético de demência. Para cada aumento de um ponto na pontuação do fator de estilo de vida, houve um risco 9% menor de desenvolver demência. Entre aqueles com ascendência europeia, em comparação com a categoria baixa do escore do fator de estilo de vida, as categorias intermediária e alta foram associadas a um risco 30% e 43% menor de demência, respectivamente. Entre aqueles com ascendência africana, as categorias intermediária e alta foram associadas a 6% e 17% menor risco de demência, respectivamente.

Entre as pessoas com ascendência africana, os pesquisadores encontraram um padrão semelhante de declínio do risco de demência em todos os três grupos entre aqueles com pontuações mais altas nos fatores de estilo de vida. Mas os pesquisadores disseram que o número menor de participantes neste grupo limitou as descobertas, portanto, mais pesquisas são necessárias.

“Amostras maiores de diversas populações são necessárias para obter estimativas mais confiáveis ​​dos efeitos desses fatores de saúde modificáveis ​​no risco de demência em diferentes grupos de risco genético e origens ancestrais”, disse Tin.

Uma limitação do estudo foi o tamanho da amostra menor entre pessoas com ascendência africana e que muitos participantes afro-americanos foram recrutados de um local.

O estudo foi apoiado pelo Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue, os Institutos Nacionais de Saúde, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos e o Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano.

Confira o Estudo: 10.1212/WNL.0000000000200520

Leandro Pessoa Dantas da Silva

Jornalista e Pós-Graduando em Docência do Ensino Superior.

Compartilhe Esse Conteúdo
Facebook
Twitter
LinkedIn
Leandro Pessoa Dantas da Silva

Leandro Pessoa Dantas da Silva

Jornalista e Pós-Graduando em Docência do Ensino Superior.

Últimos Posts

newsletter

Receba Novidades Por E-mail

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

Como evitar queloides

Como evitar queloides?

Queloides são crescimentos dérmicos benignos que surgem através da cicatrização anormal de feridas em resposta a traumas ou inflamações anteriores da pele.  O desenvolvimento de

Continue Lendo
Pupila Dilatada

O que é Pupila Dilatada? Entenda!

A pupila, uma estrutura de grande importância em nosso sistema visual, apresenta complexidade em sua constituição. Seu tamanho varia em resposta a três categorias distintas

Continue Lendo
categorias

Pesquise por Categoria

Urologia

Sintomas

Reumatologia

Radiologia

Psiquiatria

Psicologia

Pediatria

Otorrinolarigonlogia

Ortopedia

Oncologia

Oftalmologia

Nutrição

Notícias

Neurologia

Neurocirurgia

Nefrologia

Medicina Esportiva

Mastologia

Infectologia

Ginecologia e Obstetrícia

Gerontologia

Geriatria

Gastroenterologia

Fisioterapia

Fisiatria

Farmácia

Endocrinologia

Educação Física

Dor

Doenças

Dermatologia

Curiosidades

Clínica Médica

Cirurgia Vascular

Cirurgia Plástica

Canabidiol

Biomedicina

Artigos

Alergia

Acupuntura

newsletter

Receba Novidades Por E-mail